Mercados

Estrangeiros que passaram pelo Brasil não poderão entrar nos EUA

Por Bruna Santos
25 maio 2020 - 07:06 | Atualizado em 25 maio 2020 - 08:00

Conforme previsto na semana passada, o governo dos Estados Unidos restringiu a entrada de viajantes estrangeiros que estiveram no Brasil. A medida, anunciada na véspera (24), vale para os viajantes que passaram pelo país nos últimos 14 dias que antecederam a chegada nos EUA.

O veto tem como propósito conter o avanço da pandemia do coronavírus, mas isenta cidadãos americanos e estrangeiros com visto de residência permanente, por exemplo.

“O potencial de transmissão não detectada do vírus por indivíduos infectados que tentam entrar nos Estados Unidos oriundos do Brasil ameaçam a segurança do nosso sistema de transporte e infraestrutura e a segurança nacional“, afirma o texto assinado pelo presidente Donald Trump.

Essa decisão foi anunciada no dia em que o Brasil registrou 653 mortes em razão da Covid-19, de acordo com o Ministério da Saúde. Desse modo, o país acumula 22.666 no país e já é o segundo país no mundo em casos da doença.

Para a secretária de imprensa da Casa Branca, Kayleigh McEnany, as novas restrições para estrangeiros que passaram pelo Brasil ajudarão a garantir que infecções adicionais não sejam transportadas para os Estados Unidos. Isso, contudo, não se aplica ao fluxo de comércio entre os países. “Eu continuo comprometido em facilitar o comércio entre nossas nações”, afirmou Trump.

Do mesmo modo, o governo federal brasileiro suspendeu a entrada de estrangeiros no Brasil por um período de 30 dias como consequência do coronavírus. Assim como no caso dos EUA, a medida não se aplica a brasileiros natos ou naturalizados, além de outros critérios como imigrantes com residência permanente.

Publicada em edição extra do Diário Oficial da União, essa portaria indica que o prazo poderá ser prorrogado, mediante a recomendação técnica da Anvisa.


Sobre o autor