EmpresasHome

Estatais valorizam R$34 bilhões no pregão inaugural de 2019

Por Bruna Santos
03 janeiro 2019 - 08:31
Cemig (CMIG4) ; Light (LIGT3)

O ano mal começou e as estatais brasileiras já viram um aumento exponencial em seu valor de mercado logo no pregão inaugural. As companhias Eletrobras, Sabesp, Banco do Brasil, Cemig, Petrobras e Copel valem hoje, em conjunto, R$567,3 bilhões na Bolsa contra R$533,7 bilhões no fechamento de 2018, representando um crescimento de 6,3% apenas no primeiro pregão.

No decorrer do ano passado, as estatais obtiveram um aumento de mais de 40% no seu valor de mercado decorrente do Rali das eleições. Agora, frente às sinalizações do novo governo, o avanço foi de R$34 bilhões em apenas um dia. A Eletrobras liderou as altas do dia, com um avanço mais de 20%, seguida de Petrobras que ganhou mais de 6% e o Banco do Brasil que cresceu 4,54%.

Conforme a opinião dos analistas, após a forte saída dos investidores estrangeiros em 2018, deixando o fluxo cambial negativo em R$11,6 bilhões até o dia 27 de dezembro, as atenções se voltam aos ativos brasileiros, sobretudo, porque o cenário internacional ainda se mostra turbulento frente às reais possibilidades de desaceleração da economia global e a elevação dos juros nos EUA.

Relatório gratuito – Petrobras: O petróleo é nosso

A alta do Ibovespa na sessão de ontem contagiou a grande maioria dos índices, que apresentaram um bom desempenho reagindo à notícia de que os dirigentes do PSL decidiram apoiar a continuidade de Rodrigo Maia (DEM-RJ) na presidência da Câmara dos deputados. Com isso, crescem as expectativas para a aprovação de uma agenda de reformas fiscais e da Previdência, uma vez que Maia já se posicionou favorável aos temas.

Em relação à Eletrobras, suas ações disparam no mercado após o ministro de Minas e Energia, almirante Bento Albuquerque, declarar que continuará o processo de capitalização da estatal e afirmar que Wilson Ferreira Junior permanecerá no cargo de diretor, comandando todos os processos iniciados no governo Temer.

Segundo Raphael Figueiredo, sócio e analista da Eleven Financial Research, há grande euforia nas movimentações e isso ocorrerá durante o ano inteiro já que o Brasil está passando por um ciclo de expansão e aplicação de uma agenda liberal, mais voltada ao mercado. Ele acrescenta que isso é apenas uma prévia do que está por vir caso as reformas se concretizem.

Relatório gratuito – Banco do Brasil: O gigante acordou


Sobre o autor