EmpresasHome

Elétricas, BR Distribuidora devem mostrar rendimento de proventos acima da Selic, diz XP

Por TradersClub
06 novembro 2019 - 11:46

A queda dos juros básicos, que devem se manter até final de 2020 na mínima histórica, aumenta a atratividade de empresas como concessionárias de eletricidade, utilidades de saneamento e distribuidoras de combustíveis – que até o final do ano que vem devem distribuir dividendos ao acionista rendendo até o dobro da taxa básica Selic, avalia a XP Investimentos em relatório.

Analistas da corretora fizeram uma lista de dez papéis que devem apresentar retornos de proventos anuais entre 4,20% e 9,50%, líquidos de imposto, bem superiores à taxa Selic, que deve acabar esse ano nos 4,50% e 4,25% em 2020. O maior retorno estimado é da unit de AES Tietê, cuja remuneração a XP estima, incluindo dividendos e juros sobre capital próprio, em 9,5%. Em seguida vem a unit de Taesa, com dividendo de R$2,44 e retorno de 8,00%. ISA Cteep tem estimativa de dividendo de R$1,89, equivalente a retorno de 7,80%, e Engie ON, R$3,51 por ação, com retorno de 7,4%. BR Distribuidora projeta remuneração de R$2,06 ao acionista, equivalente a 7,4% ao ano. Gerdau PN pagaria dividendos de R$1,02 por ação, ou 6,00% de retorno ao ano.

A unit de Sanepar projeta dividendos de R$5,17 e retorno de 5,7% e Cemig PN, R$0,74 ou 5,50% ao ano. A unit da Klabin tem projeção de remuneração ao acionista de R$0,78 e retorno de 5,00% ao ano. Copasa ON tem uma estimativa de dividendos de R$2,94 por ação, com retorno de 4,2% ao ano. O ganho ficaria acima do retorno líquido do juro básico, de 3,61%, equivalente aos 4,25% ao ano menos um imposto de renda de 15%.

O relatório indica que, para a XP, a queda dos juros fará o brasileiro mudar sua forma de investir e incorporar ações em sua carteira, usando os dividendos como uma forma de aumentar a remuneração fixa ao longo do tempo. As ações boas pagadoras de dividendos, por sua característica de remuneração parecida com a renda fixa, dão maior previsibilidade de fluxo de caixa e menor volatilidade e são um instrumento para facilitar a transição da renda fixa para a renda variável. O Índice de Dividendos, IDIV, da B3, recua 0,65% hoje, mas sobe 29,70% no ano, acima dos 23,49% do Ibovespa.


Sobre o autor