Política

“É guerra”, diz Bolsonaro a empresários em conversa vazada sobre “lockdown”

Por Bruna Santos
14 maio 2020 - 16:03 | Atualizado em 14 maio 2020 - 17:42
Presidente Jair Bolsonaro

Um possível “lockdown” no Estado de São Paulo reuniu empresários de grandes empresas e o presidente da República, Jair Bolsonaro, em uma videoconferência que acabou vazando para jornalistas, de acordo com o Valor Econômico.

Bolsonaro se queixou no encontro da determinação do Supremo Tribunal Federal (STF) de deixar governadores e prefeitos responsáveis pelas restrições impostas por causa do coronavírus.

O presidente tem defendido uma flexibilização do distanciamento social imposto em diversos Estados brasileiros e chegou a pedir o mesmo pessoalmente ao ministro Dias Toffoli. Segundo ele, é preciso “jogar pesado” com governadores como João Doria (SP), que avaliam a possibilidade de um “lockdown”.

O Chefe de Estado levantou ainda a hipótese de que os governos regionais estejam tentando “quebrar a economia para atingir o governo”. “É isso que parece que está acontecendo”, reforçou ele, segundo publicação da Folha de S. Paulo.

A conclamação para que os empresários “joguem pesado” com governadores como João Doria teria ocorrido após o chefe da Secom (Secretaria de Comunicação Social), Fábio Wajngarten, comentar que São Paulo poderia entrar em regime de “lockdown”.

“Um homem está decidindo o futuro de São Paulo, está decidindo o futuro da economia do Brasil”, disse. “Os senhores, com todo o respeito, têm que chamar o governador e jogar pesado, jogar pesado, porque a questão é séria, é guerra”, declarou. Ele ainda complementou, afirmando que “é o Brasil que está em jogo”.

Ao encerrar sua participação na videoconferência, Bolsonaro se desculpou pelo “tom um pouco exaltado” e declarou seu “profundo respeito e admiração” pelos empresários.

Além disso, se dispôs a conversar com governadores e chefes de outros Poderes, com o propósito de encontrar uma saída para a crise. “Mas é pra ontem”, disse, reiterando o tom urgente adotado em seus pronunciamentos sobre a reabertura das atividades econômicas.

“Lockdown” não pode ser descartado

Em entrevista ao jornal ‘Valor Econômico’, Doria declarou que o “lockdown” não pode ser descartado. Por fim, pouco após o vazamento do que foi dito na videoconferência organizada pelo presidente da Fiesp, Paulo Skaf, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB) reagiu às declarações.

“O presidente Jair Bolsonaro despreza vidas. Ele prefere fazer comícios, andar de jet ski, treinar tiros e fazer churrasco”, afirmou. “Enquanto isso, milhares de brasileiros estão morrendo todos os dias”, disse o governador, segundo o Valor Econômico.

“Acorde para a realidade, presidente Bolsonaro. Saia da bolha de ódio e comece a ser um líder, se for capaz”, desafiou Doria.

De acordo com a colunista Carla Araújo do UOL, o Palácio do Planalto e o Ministério da Economia não sabiam que a reunião estava sendo acompanhada por jornalistas.


Sobre o autor