Dólar e índice

DOLFUT: Dólar sobe na B3, com cautela antes da decisão do FOMC

Por TradersClub
27 janeiro 2021 - 11:11 | Atualizado em 27 janeiro 2021 - 11:58

O dólar futuro abriu em alta, após forte alívio na véspera, seguindo a maior força da moeda americana no exterior devido à cautela antes da decisão do FOMC.

Nesse sentido, o mercado está preocupado com a escalada do vírus e novas restrições para conter a pandemia, além de impasse com o programa de estímulos nos Estados Unidos.

Na véspera, o real teve o melhor desempenho entre as maiores moedas, com perspectivas de alta da taxa básica Selic, sinalizada na ata da última reunião do comitê de política monetária do Banco Central.

Baixe agora: Dólar e Mini dólar – Desvendando este mercado

Ao mesmo tempo, os investidores também aguardam a decisão do FOMC, órgão que decide os juros nos EUA, e a coletiva de Jerome Powell, presidente do banco central americano.

Desse modo, Powell deverá se mostrar mais cauteloso sobre a possibilidade de abrandar o programa de compra de ativos.

Apesar disso, as perspectivas para a economia melhoraram devido aos estímulos de US$1,9 trilhão que deverão ser implementados pelo governo do novo presidente Joe Biden.

Mercado de Câmbio

No radar do investidor, estão ainda os dados da conta corrente e o fluxo cambial semanal. O Banco Central volta a rolar até US$800 milhões em swap cambial pelas 11h30.

Assim, perto das 09h35, o dólar futuro subia 0,18% a R$5,367. Enquanto isso, o Dólar Índice, o DXY, que mede o comportamento da moeda americana ante uma cesta de divisas pares, ganhava 0,38%.

Baixe agora: Derivativos – O guia definitivo para começar a investir

Quer ficar informado de todas as novidades sobre as técnicas e estratégias aplicadas ao day trade? Então participe gratuitamente do Canal do Fast Trade no Telegram através do link: https://t.me/plataformafasttrade

Dólar sobe na B3, com cautela antes da decisão do FOMC

Leia também:

Arrecadação em 2020 mostra “o vigor da recuperação econômica” – diz Guedes

Indicadores econômicos: Brasil, EUA, Europa e Ásia


Sobre o autor