Dólar e índice

DOLFUT: Dólar cai com força de emergentes, desmonte de hedge, Teto de Gastos

Por TradersClub
11 setembro 2020 - 09:52 | Atualizado em 11 setembro 2020 - 10:28
Dólar (DOLFUT): Em dia de ata do Copom, dólar cai com exterior e à espera de falas de diretores do Fed

O dólar iniciou em queda nesta sexta-feira, após ontem ter leve alta de 0,27%, com o real seguindo a força de outros emergentes contra a divisa americana e em linha com movimentos de desmonte de hedge.

Grandes fundos começam a retirar suas posições compradas em dólar e vendidas em juros à medida que há percepção de que a taxa Selic não deve mais cair.

Baixe agora: Dólar e Mini Dólar – Desvendando este mercado

Da mesma forma, ajuda a divisa o compromisso de que o Renda Brasil, novo programa de transferência de renda, será amarrado ao Teto de Gastos.

As falas de Bolsonaro sobre a preocupação com o câmbio seguem no radar, mas, o mercado não interpretou que há intenção de intervir no câmbio.

Na sua tradicional live de quinta-feira, o presidente disse que “dólar está alto, facilita exportações”.

Além disso, ele disse que tem “conversado sempre com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, para ver o que governo pode fazer para dólar não subir tanto”.

Baixe agora: Guia de A a Z de como se tornar um trader!

Certamente, o mercado tenderia a testar o limite de tolerância do BC, após dica do Bolsonaro.

Desse modo, perto das 09h15, o dólar futuro caía 0,83% para R$5,281.

Com melhor pelo apetite por risco e queda da libra esterlina, o Dólar Índice, o DXY, que mede o comportamento da divisa ante uma cesta de pares, cedia 0,16%.

Quer ficar informado de todas as novidades sobre as técnicas e estratégias aplicadas ao day trade? Então participe gratuitamente do Canal do Fast Trade no Telegram acessando o link: https://t.me/plataformafasttrade

Dólar cai com força de emergentes, desmonte de hedge, Teto de Gastos

Leia também:

Vale (VALE3) distribuirá proventos e a Petrobras recomprará títulos globais

Ministério da Economia: dados de junho/julho mostram retomada em “V”


Sobre o autor