Dólar e índiceHome

Dólar sobe pouco e fecha em R$4,06 com ajuste no exterior

Por Pablo Vinicius Souza
17 dezembro 2019 - 20:11
maior fechamento desde maio

O dólar comercial encerrou em leve alta nesta terça-feira (17), sendo cotado a R$4,0630 na venda, depois de passar por intensa volatilidade na sessão.

O movimento de ajustes no câmbio internacional impulsionou a valorização da divisa americana contra as principais moedas mais líquidas.

Embora a divulgação dos dados mais fortes na produção industrial dos EUA tenha fortalecido as divisas emergentes, o real interrompeu o movimento de recuperação visto nas últimas sessões, cedendo 0,05%.

No exterior, a notícia de que o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, está defendendo um prazo fixo para a concretização do Brexit pressionou os ativos de risco.

Isso porque, se não houver a possibilidade de extensão do prazo para a conclusão dos processos, corre o risco de o divórcio acontecer sem um acordo entre o Reino Unido e a União Europeia.

Em reação, a Libra desabou mais de 1%, gerando uma correção no dólar, que havia se enfraquecido nas últimas semanas devido ao impasse entre Estados Unidos e China.

Contudo, por aqui, o bom humor dos investidores com a divulgação da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) prevaleceu, desacelerando o avanço da moeda dos EUA.

Outro fator que evidenciou o otimismo local foi o spread do contrato de Credit Default Swap (CDS) de cinco anos, que recuou aos 96 pontos, ficando novamente abaixo de 100.

Juros Futuros

Na renda fixa, os contratos de juros futuros fecharam em forte alta, com o mercado procedendo à recomposição do prêmio de risco de ponta a ponta da curva de juros.

A abordagem do Banco Central foi considerada conservadora pelos investidores, de forma que, o texto da ata desencadeou um ajuste amplo nas taxas, sinalizando cautela ante o possível fim do ciclo de afrouxamento monetário.

O DI outubro/2020 subiu para 4,48% (4,41% no ajuste anterior), o DI outubro/2022 saltou para 5,87% (5,74% no ajuste anterior) e o DI janeiro/2026 avançou para 6,77% (6,65% no ajuste anterior).


Sobre o autor