Dólar e índice

Dólar sobe firme e real lidera ranking dos piores desempenhos nesta parcial de 6ª

Por Fast Trade
30 abril 2021 - 12:01 | Atualizado em 30 abril 2021 - 13:18

O dólar comercial reverteu a tendência de queda e sobe mais de 1% nesta sexta-feira (30), último pregão de abril. Assim sendo, a divisa norte-americana se distancia do menor patamar em três meses contra o real, registrado no fechamento de ontem, a R$ 5,3380.

Em contrapartida, a moeda  caminha para encerrar a semana e até mesmo o mês corrente com perdas. Às 11:57 o dólar avançava 1,56%, a R$ 5,420 na venda e a R$ 5,419 na compra.

+ Guia de A a Z de como se tornar um trader!

De acordo com analistas do mercado cambial, os investidores monitoram a formação da Ptax de fim de mês. A Ptax consiste em uma taxa de câmbio adotada para a cotação do dólar e serve de referência para liquidação de contratos futuros.

Em pregão marcado pelo fortalecimento do dólar frente a praticamente todas as demais divisas, o real lidera as perdas do dia. Por outro lado, o real é a segunda divisa de melhor desempenho em abril, com alta acumulada de 4,15% até a manhã de hoje.

Vale destacar ainda que a moeda norte-americana pode oscilar conforme o Banco Central realiza um novo leilão de swap tradicional.

Segundo o anúncio da autoridade monetária, o leilão do pregão de hoje será para para rolagem de até 15 mil contratos com vencimento em novembro de 2021 e março de 2022.

Taxas futuras de juros futuros avançam assim como o dólar

Assim como o dólar, os juros futuros avançam nesta parcial de sexta-feira. Às 11h55, a taxa de contrato de depósito interfinanceiro (DI) para janeiro de 2027 estava na máxima de 8,41%, de 8,33% no ajuste anterior.

+ Guia completo para obter sucesso nas operações de Day Trade

Por sua vez, o DI para janeiro de 2023 estava na máxima de 6,275%, de 6,17%, ao passo que o DI para janeiro de 2022 marcava máxima de 4,66%, ante 4,615% do fechamento de quinta-feira (29).

Antes de mais nada, leia também:

Receita Bruta do Grupo Fleury atingiu o segundo maior nível histórico no 1º trimestre


Sobre o autor