Dólar e índiceHome

Dólar retoma trajetória de alta e fecha cotado a R$4,32

Por Pablo Vinicius Souza
17 fevereiro 2020 - 18:45

O dólar comercial subiu 0,65% nesta segunda-feira (17), fechando na cotação de R$4,3270 na venda, retomando a trajetória de alta após duas intervenções consecutivas do Banco Central.

Na ausência de novos leilões de swap cambial, a divisa americana se fortaleceu no mercado interno, levando o real a apresentar o pior desempenho da sessão, dentre as 33 moedas mais líquidas do mundo.

Em dia de baixa liquidez devido ao feriado do Dia do Presidente nos Estados Unidos, é comum que a volatilidade de ativos de risco seja acentuada.

Embora as preocupações com o avanço do coronavírus tenham sido suavizadas com a adoção de novos estímulos pelo governo chinês, a moeda dos EUA continuou em valorização, assim como o ouro e os Treasuries.

Além disso, o real operou pressionado pelo enfraquecimento dos dados econômicos, que evidenciam a necessidade de um novo corte na taxa básica de juros, ainda que o Copom tenha decidido encerrar o ciclo de flexibilização.

Na semana passada, o rali de depreciação da moeda local só foi interrompido após a autoridade monetária realizar a venda de US$2 bilhões em contratos de swap cambial.

Apesar disso, alguns analistas acreditam que haverá um ajuste no dólar nos próximos dias, pois, tanto aqui quanto no exterior, a moeda está muito valorizada, graças à queda do euro e das commodities.

Mesmo assim, a tendência é que o câmbio alcance um novo patamar na faixa dos R$4,40, mantendo este como um parâmetro regular de longo prazo.

Juros Futuros

Na renda fixa, os contratos de juros futuros encerraram mistos, devolvendo parte do prêmio de risco adicionado nos últimos dias.

Diante de novas revisões para baixo dos indicadores macroeconômicos, crescem as expectativas de que a taxa Selic permaneça em níveis baixos por muito tempo, forçando o ajuste nos DIs de curto prazo.

Já nos vértices intermediários e longos, o viés positivo do câmbio desencadeou um movimento de realização de lucros, fazendo as taxas apresentarem leve alta.

O DI setembro/2020 ficou estável, sendo negociado a 4,14%, o DI julho/2024 subiu para 5,85% (5,83% no ajuste anterior) e o DI janeiro/2027 aumentou para 6,35% (6,33% no ajuste anterior).


Sobre o autor