Dólar e índice

“Dólar pode chegar a R$ 4,60 em doze meses”, afirma chefe do Goldman Sachs

Por Fast Trade
06 setembro 2021 - 06:53 | Atualizado em 06 setembro 2021 - 08:22

Ceasar Maasry, chefe da área de mercados emergentes do Goldman Sachs, acredita que o dólar terá queda e ficará abaixo dos R$ 5,00 até o final do ano. Seu principal argumento é que fatores externos influenciaram a moeda em maior proporção do que os internos.

“Assim, não acho que o que aconteceu com o real foi causado por questões domésticas, mas fundamentalmente por movimentos globais que, acreditamos, devem ser revertidos nos próximos meses”, afirmou o executivo.

Ao ser questionado sobre a projeção para os próximos doze meses, Maasry confirmou que o dólar deve cair a R$4,60 e que as ações brasileiras devem apresentar uma performance melhor do que os demais pares emergentes.

+ Desvendando o Swing Trade: Tudo o que você precisa saber!

Sua visão, portanto, reside no fato de que o dólar deve cair não só no Brasil, mas também no mundo inteiro. Isso porque os investidores estão se acostumando com os riscos da pandemia, especialmente em relação à variante Delta do coronavírus.

Quanto aos riscos trazidos pelo “tapering” do Federal Reserve (retirada de estímulos), Maasry comentou que o movimento está bem sinalizado e tende a reduzir a volatilidade dos mercados. 

Além disso, o ciclo da alta de juros no Brasil servirá como um escudo para as oscilações do Dólar nesse momento. Junto com Rand sul-africano, o Real pode voltar a liderar a preferência dos investidores estrangeiros. Da mesma forma, sob a ótica dos indicadores econômicos locais, o executivo acredita que haverá uma crescente melhora até o final de 2021, o que, por si só, já será motivo suficiente para elevar as apostas na moeda brasileira.

“Nossas métricas sobre o posicionamento dos investidores estrangeiros em 25 economias emergentes, por exemplo, também mostram que a alocação para ações no Brasil está bem abaixo do padrão dos últimos 5 anos” – explicou.

Ativos brasileiros

Maasry afirma que os ativos domésticos estão baratos, sobretudo, o Real. Ele acredita que o Ibovespa deve atingir a faixa de 135 mil pontos em doze meses, com concentração nos primeiros seis.

“Para o Ibovespa, nosso preço-alvo mostra uma alta de aproximadamente 16% em relação ao nível atual. Se tomarmos o Ibovespa sem as commodities, a decomposição de lucro por ação e P/L mostra uma expansão de 2% do preço em relação ao lucro e um crescimento de 15% considerando o lucro por ação. E, somada à previsão de que o dólar volte para perto de R$ R$ 4,60 nesse período, o rendimento ajustado pela variação cambial é bastante forte (…)” – comentou o executivo.

+ Guia de A a Z de como se tornar um trader

Finalmente, entre os riscos atrelados aos ativos brasileiros, Maasry destaca as eleições presidenciais de 2022 e o déficit fiscal no cenário interno. Já no cenário externo ele aponta o possível aumento dos juros pelo Federal Reserve e as medidas anticíclicas da China.

Por fim, o ideal seria que os Estados Unidos mantivessem os juros baixos e a potência asiática elevasse o crédito para estimular a demanda externa. Isso aceleraria o olhar dos investidores para o Brasil e outros países emergentes.

Quer ficar informado de todas as novidades sobre o mercado financeiro? Então participe do Canal do Fast Trade no Telegram acessando o link: https://t.me/plataformafasttrade

“Dólar pode chegar a R$ 4,60 em doze meses”, afirma chefe do Goldman Sachs

Leia também:

Exportações de carne bovina à China são suspensas; medida deve ser breve

Ibovespa fecha em alta, mas não evita a queda semanal de 3,1%

Dólar fecha a R$5,18 refletindo o Payroll nos EUA e as incertezas da cena local


Sobre o autor