Dólar e índice

Dólar opera em alta com cenário político e taxas futuras de juros

Por Fast Trade
09 março 2021 - 12:00 | Atualizado em 09 março 2021 - 13:00

O dólar subiu para o maior patamar intradiário desde maio de 2020, repercutindo a anulação das condenações impostas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Esse movimento não surpreendeu os mercados, uma vez que a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin foi divulgada ontem (8).

Como resultado, a divisa norte-americana à vista fechou o pregão da véspera em alta de 1,66%, a R$ 5,7787 na venda.

Hoje, às 11h56, a divisa americana avançava 1,282% e era negociada a R$ 5,8519 na venda e a R$ 5,8509 na compra. Mais cedo, o dólar comercial bateu a máxima intradiária de 2021, R$ 5,8744, o maior patamar desde meados do ano passado.

O mercado ainda monitora a reação do Palácio do Planalto, uma vez que a decisão devolve ao petista seus direitos políticos. Nesse sentido, os investidores avaliam que, se mantida a decisão, isso pode impactar a sucessão presidencial de 2022.

Por um lado, os investidores temem a polarização e, por outro lado, especulam sobre o fortalecimento de uma agenda populista. Este, contudo, não é o único destaque para a performance do dólar comercial, que também se volta para a votação da PEC Emergencial.

Após ter sido aprovada em 2º turno no Senado Federal – e com a manutenção dos gatilhos fiscais – será votada na Câmara dos Deputados

De acordo com a agenda da Casa, os deputados realizam sessão do Plenário nesta terça-feira (9) da proposta que é o único item da pauta. Saiba mais sobre a tramitação de propostas de emenda à Constituição.

Diante desse cenário, o Banco Central realizará hoje (9) um novo leilão de swap tradicional para rolagem de até 16 mil contratos com vencimento em junho e dezembro de 2021.

Juros futuros se movimentam com os mesmos drivers do dólar

Em paralelo, as taxas dos juros futuros também repercutem a cautela local em relação à possível desidratação da PEC Emergencial na Câmara.

As especulações sobre o retorno do ex-presidente Lula às eleições de 2022 também deixa o mercado atento, assim como o avanço da pandemia.

Às 11h39, a taxa de depósito interfinanceiro para janeiro de 2027 subia a 8,13%, de 8,01% no fechamento de ontem.

Ademais, O DI para janeiro de 2023 ia para 5,86%, de 5,775%, e o para janeiro de 2022 marcava 4,05%, de 3,99% no fechamento anterior.

Antes de mais nada, leia também:

Dólar opera em alta com cenário político e taxas futuras de juros


Sobre o autor