Dólar e índice

Dólar mantém tendência de queda com clima externo e Orçamento no radar

Por Fast Trade
06 abril 2021 - 12:00 | Atualizado em 06 abril 2021 - 16:42

Após fechar em queda de 0,63% na segunda-feira (05), apoiado pelo clima externo, o dólar comercial volta a cair na parcial de hoje.

O movimento segue alinhado ao percebido no exterior contra algumas moedas emergentes, refletindo a melhora de perspectivas econômicas globais.

+ Guia do Investidor Iniciante

Por aqui, no entanto, o imbróglio em torno do Orçamento continua no radar do investidor e limita a queda da divisa americana. O investidor ainda digere as declarações do presidente do Banco Central e do ministro da Economia.

Às 11h31, a moeda recuava 1,21% ante o real e era negociada a R$ 5,65.  Na máxima intradia, o dólar foi negociado a R$ 5,66 e a R$ 5,61 na mínima.

De acordo com o sócio-analista da Eleven Financial, Raphael Figueredo, “esta será uma semana majoritariamente de comportamento internacional”.

Nesse sentido, ele pontuou que há uma sensação de recuperação, mas também uma aposta do mercado “que procura apetite por recuperação do risco global”. Assim, ele acredita que esse comportamento vai impulsionar os “mercados no mundo inteiro”.

Vale destacar que o Fundo Monetário Internacional (FMI) voltou a elevar a projeção para o crescimento econômico global.

A recente publicação – desta terça-feira (6) – mostrou uma projeção de crescimento de 6% para a produção mundial em 2021. Surpreendentemente, essa taxa não é vista desde a década de 1970. Do mesmo modo, o organismo aumentou a previsão para o crescimento da economia no Brasil.

+ Guia de A a Z de como se tornar um trader!

Embora o prognóstico tenha crescido apenas 0,1 ponto percentual frente a última estimativa (janeiro), para 3,7%, ainda é um cenário positivo. Por outro lado, a melhora modesta reflete as incertezas fiscais, pauta abordada nos debates sobre o Orçamento.

Juros avançam com Campos Neto no radar

Em movimento oposto ao dólar, os juros futuros avançam, repercutindo a participação do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, no evento do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial.

Às 11h36, a taxa de depósito interfinanceiro (DI) para janeiro de 2027 marcava 8,81%, de 8,78% no ajuste anterior.
Ao mesmo tempo, o DI para janeiro de 2023 estava em 6,50%, de 6,485%, ao passo que o vencimento para janeiro de 2022 recuava para 4,605%, de 4,61% no ajuste anterior.

Antes de mais nada, leia outros destaques não relacionados com o dólar:

Gol reporta taxa de ocupação dos voos em 71,8% e mais resultados prévios de março

INDFUT: Ibovespa futuro cai seguindo os índices americanos de olho em PMIs e Guedes

Mercado financeiro mantém projeção para a Selic em 2021 e mais previsões

Inflação medida pelo IPC-S foi de 1,00% em março

Vale dispara 6% com anúncio de recompra de ações e otimismo com minério


Sobre o autor