Dólar e índice

Dólar fecha a R$5,14 com leilão de swap e ata do Fed

Por Fast Trade
08 abril 2020 - 18:21 | Atualizado em 08 abril 2020 - 18:53

O dólar comercial anotou queda de 1,63% nesta quarta-feira (07), fechando na cotação de R$5,1410 na venda, pressionado pelo leilão de swap do Banco Central.

Fazendo um pregão de intensa volatilidade, a divisa americana depreciou contra as principais moedas no exterior, acompanhando o tom otimista das negociações.

A desaceleração do número de novos casos de coronavírus na Europa e a desistência de Bernie Sanders de concorrer à presidência pelo Partido Democrata foram os grandes catalisadores do movimento positivo.

Além disso, o conteúdo da ata da última reunião do Federal Reserve mostrou que a taxa básica de juros nos EUA deve ficar próximo de zero por um período maior do que o previsto.

E este fato contribuiu para elevar a atratividade das divisas emergentes, devido ao diferencial de juros que apresentam em relação ao dólar.

No cenário interno, o real também foi apoiado pela intervenção do Banco Central, que realizou um leilão de swap cambial no mercado de derivativos, totalizando US$296,5 milhões em recursos.

Segundo o presidente da instituição, Roberto Campos Neto, o objetivo é manter a liquidez das transações, como um sinal de menor interesse em dar sequência à política de cortes da Selic.  

Juros Futuros

Na renda fixa, os contratos de juros futuros encerraram em queda livre, precificando a aprovação da PEC do “Orçamento de Guerra”, no Senado.

A expectativa de aprovação do diploma normativo pressionou a retirada do prêmio de risco dos DIs, porque concede ao BC liberdade para comprar títulos públicos no mercado secundário.

O DI outubro/2020 caiu para 3,22% (3,24% no ajuste anterior), o DI julho/2023 recuou para 5,76% (5,94% no ajuste anterior) e o DI janeiro/2026 declinou a 7,20% (7,39% no ajuste anterior).

Você pode se interessar também:

Petróleo avança em expectativa à reunião da Opep+

MP do Agronegócio revoluciona o acesso ao crédito rural

Bradesco BBI eleva para “outperform” a recomendação da Klabin


Sobre o autor