Dólar e índice

Dólar desaba 2,83% e fecha a R$5,32 com aumento da Selic no radar

Por Fast Trade
26 janeiro 2021 - 19:19 | Atualizado em 26 janeiro 2021 - 20:01
Dólar sobem antes de inflação

O dólar comercial fechou em queda de 2,83% nesta terça-feira (26), na cotação de 5,3240 na venda, com aumento da Selic no radar.

Em um dia positivo para as moedas emergentes, o real chegou a liderar os ganhos no mercado global, diante da perspectiva de recomposição do diferencial de juros com o exterior.

Essa é a maior queda diária da divisa americana desde junho de 2018, quando declinou 5,50% devido à oferta de US$20 bilhões em swaps cambiais realizada pelo Banco Central.

Baixe agora: Dólar e Mini dólar – Desvendando este mercado

Na sessão de hoje, ficou em destaque a ata da última reunião do Copom, reforçando a leitura de que a Selic pode ser elevada já na reunião de março.

Nesse sentido, o movimento de aperto monetário aliviou a pressão sobre o câmbio porque tende a atrair capital estrangeiro para o país.

Além disso, os dirigentes colocaram em evidência os riscos fiscais do prolongamento de políticas emergenciais durante a pandemia. Neste cenário, os ruídos políticos e as incertezas sobre o orçamento também ficaram no radar da instituição.

Em outro front, os investidores repercutiam as declarações do ministro da Economia, Paulo Guedes, durante um evento organizado pelo Credit Suisse.

Baixe agora: Derivativos – O guia definitivo para começar a investir

Desse modo, o ministro afirmou que o grande desafio do país em 2021 será a vacinação em massa para viabilizar o retorno ao trabalho com segurança.

No mesmo evento, o presidente Jair Bolsonaro alinhou seu discurso ao de Guedes, defendendo que empresários possam comprar a vacina para imunizar seus funcionários.

Acima de tudo, o líder do Planalto disse que sua prioridade será o cumprimento do teto de gastos e isso também acalmou os investidores.

Juros futuros fecham mistos com foco na ata do Copom

Os contratos de juros futuros encerraram mistos, sem assumir uma direção comum, refletindo o conteúdo da ata do Copom.

Diante do aumento da pressão inflacionária, as taxas de curto prazo anotaram forte adição de prêmio de risco.

Em contrapartida, os trechos intermediários e longos recuaram, com foco no tom mais favorável ao aperto monetário do Copom.

Baixe: Guia de A a Z de como se tornar um trader!

Desse modo, o cenário de possível aumento na taxa Selic já na próxima reunião do Banco Central contribuiu com o alívio dos vértices mais longos.

O DI junho/2021 avançou para 2,21% (2,15% no ajuste anterior), o DI outubro/2023 caiu para 5,87% (6,02% no ajuste anterior) e o DI janeiro/2026 recuou para 6,99% (7,16% no ajuste anterior).

Quer ficar informado de todas as novidades sobre as técnicas e estratégias aplicadas ao day trade? Então participe gratuitamente do Canal do Fast Trade no Telegram através do link: https://t.me/plataformafasttrade

Dólar desaba 2,83% e fecha a R$5,32 com aumento da Selic no radar

Leia também:

Petróleo fecha sem direção única, mas quase estáveis

Confiança do consumidor brasileiro cai para o menor nível desde junho de 2020


Sobre o autor