Dólar e índiceHome

Dólar avança a R$3,97 com pressão externa e Copom suave

Por Pablo Vinicius Souza
09 maio 2019 - 12:32

Pressionado pelo tom negativo dos mercados internacionais, o dólar comercial avançava neste pregão. Seguindo o aumento das tensões EUA-China, às 12h18 (horário de Brasília) a divisa americana valorizava 0,92% contra o real brasileiro, atingindo a cotação de R$3,97.

Nem mesmo a participação do ministro da Economia, Paulo Guedes, na 1º audiência da Comissão Especial da Câmara arrefeceu as movimentações do câmbio. O salto só não é maior neste momento porque os investidores reagiram bem à decisão de política monetária do Copom.

O Comitê do Banco Central manteve a taxa de juros no patamar de 6,5% ao ano, justificando que o desempenho fraco das atividades brasileiras ainda não é capaz de gerar altos níveis de inflação e será preciso observar o mercado interno para adotar medidas mais enérgicas.

Os contratos de juros futuros recuavam em atenção ao indicador fraco das vendas no varejo em março, que novamente registraram queda. As taxas de longo prazo passavam por um pequeno ajuste, precificando as expectativas da decisão do Copom.

O DI com vencimento para março/2020 declinava 0,46%, com negociação a 6,47% (6,50% no ajuste anterior), o DI para junho/2023 subia 0,12%, sendo comercializado a 8,30% (8,27% no ajuste anterior) e o DI para dezembro/2027 permanecia estável sendo vendido a 9,02%.

Leia mais:

Com Trump alegando “quebra de acordo” e ameaça de retaliação chinesa, Ibovespa recua 1,5%


Sobre o autor