Empresas

Destaques corporativos: CVC avança mais de 30% na semana; Petrobras cancela dividendos

Por Bruna Santos
10 abril 2020 - 08:38 | Atualizado em 11 abril 2020 - 10:32
CVC (CVCB3)

Houve grandes destaques corporativos em meio a uma semana mais curta por causa do feriado de hoje, sexta-feira da Paixão, e o Ibovespa conseguiu acumular um saldo positivo de +11,71%, o melhor rali de valorização semanal para o mês desde 2016, mesmo após queda na véspera (9) de 1,20%, fechando o pregão na faixa de 77.681 pontos.

Assim também, algumas companhias de capital aberto tiveram um desempenho positivo e saltaram mais de 30% nesta semana na B3.

Os ativos da Petrobras (PETR3/PETR4) foram destaque na semana em razão do petróleo, bem como do acordo da Opep+. Conforme o acordo, o corte de produção de 10 milhões de barris será temporário, considerado insuficiente para reequilibrar o mercado.

Desse modo, as ações da Petrobras contraíram 3%, mas acumulou ganhos de 10,05% (ON) e 9,65% (PN) na semana.

A petroleira ainda informou o cancelamento da Assembleia Geral Ordinária (AGO)e do pagamento de dividendos com base no resultado anual de 2019 (R$ 1,7 bilhão), correspondente a R$ 0,233649 por ação ordinária e R$ 0,000449 por ação preferencial.

Da mesma maneira, foram canceladas as datas de corte de direito de dividendos das ações negociadas na B3. O record date para os detentores de American Depositary Receipts (ADRs) negociados na New YorkStock Exchange (NYSE) e as datas de ex-direitos em ambos os mercados também estão suspensos, segundo informou a Petrobras em comunicado oficial.

Por outro lado, Raia Drogasil (RADL3) vai pagar R$ 20,1 milhões em dividendos adicionais, totalizando R$ 0,061147343 por ação.

A CVC (CVBC3), por sua vez, surpreendeu, especialmente após ter sido tão afetada economicamente pelo surto do coronavírus. O salto foi de 10,21%.

Além disso, a CVC contabilizou a terceira maior alta na semana do Ibovespa (+30,81%), seguindo a BR Distribuidora (BRDT3; +40,22%) e Notre Dame Intermédica (GNDI3; +39,63%).

Destaques corporativos negativos

Na outra ponta dos destaques corporativos, os responsáveis pelas maiores baixas do Ibovespa entre os dias 6 e 9 de abril foram: Suzano (SUZB3; -11,06%, JBS (JBSS3; -6,86%), Rumo (RAIL3; -5,67%), Carrefour (CRFB3; -5,57%) e Klabin (KLBN11; -3,67%).


Sobre o autor