Ações

Desemprego nos EUA e instabilidade política pressionam queda do Ibovespa

Por Fast Trade
03 abril 2020 - 12:28 | Atualizado em 03 abril 2020 - 15:15
viés de queda

O Ibovespa opera em queda nesta sexta-feira (03), repercutindo o aumento do desemprego nos EUA e as instabilidades políticas no Brasil.

A maior economia do mundo reportou o fechamento de 701 mil postos de trabalho formais durante o mês de março, superando, com folga, o consenso dos economistas.

Apesar de o governo americano estar tomando todas as medidas possíveis para mitigar os impactos do coronavírus, o indicador mostrou que a situação financeira do país pode ficar ainda mais grave do que o previsto.

Do lado positivo, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) agendou uma reunião extraordinária para a semana que vem com os integrantes e aliados.

O objetivo é discutir a proposta de corte na produção do cartel em pelo menos 6 milhões de barris por dia, para responder à crise energética provocada pelo coronavírus.

Com isso, os contratos futuros de petróleo fazem novo dia de ganhos, com o tipo Brent subindo mais de 14%, rondando a faixa de US$33.

Contexto brasileiro

Por aqui, as ações da Petrobras (PETR3/ PETR4) apresentavam um comportamento misto, tentando engatar um movimento de alta junto com os preços da commodity energética.

No cenário político, o presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar os governadores e prefeitos pelas medidas de restrição e ameaçou dizendo que pode acabar com a quarentena “com uma canetada” na semana que vem.

Ele também teceu críticas ao comandante da pasta da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, dizendo que não existe ministro indemissível, mas que não pretende tirá-lo do cargo neste momento.

Na B3, as companhias Usiminas (USIM5), Gol (GOLL4), Hering (HGTX3), Raia Drogasil (RADL3) e Iguatemi (IGTA3) lideravam as perdas do índice.

Ás 12h20 (horário de Brasília), a Bolsa brasileira caía 3,83%, aos 69.487 pontos, com um volume financeiro de R$5,156 bilhões.

Acompanhe as últimas novidades do mercado:

Dólar é negociado a R$5,29 com piora na percepção do risco

Varejo brasileiro perde 21% de faturamento; China prioriza economia e retorno ao trabalho

Governo prevê o maior rombo da história nas contas públicas por Covid-19: R$ 419,2 bi

Futuros de NY recuam em dia de “payroll” e Bolsas europeias abrem em baixa após PMI


Sobre o autor