HomePolítica

Delações da Odebrecht ainda não esclareceram destino de R$14 milhões, aponta jornal

Por Eloiza Amaral
08 julho 2019 - 12:04
Novonor

Um levantamento divulgado pelo jornal O Estado de S. Paulo nesta segunda feira (8), aponta que R$14 milhões de reais entregues pela Odebrecht ainda não foram explicados à Procuradoria-Geral da República (PGR), mesmo com o acordo de colaboração premiada selado há mais de dois anos.

O acordo exigia que fossem prestados esclarecimentos sobre os pagamentos, que estavam ligados a 22 codinomes ainda não identificados, entre 2013 e 1015, envolvendo mais de R$ 200 milhões em repasses.

Para alguém de codinome ‘’Príncipe’’, foi entregue o maior valor, R$ 3,5 milhões. ‘’A lista inclui ainda “Papai Noel” e “Azeitona”, vinculados à Arena Corinthians, construída pela Odebrecht para a Copa de 2014’’, disse o jornal.

O acordo de delação foi fechado com 7 executivos da Odebrecht em dezembro de 2016, e a Procuradoria-Geral da República (PGR), impôs que fosse feita a identificação dos codinomes, como “Avesso”, “Babaçu”, “Crente”, “Dr. Silvana” e “Leleco”.

Nos arquivos da Transnacional – transportadora de valores usada pela Odebrecht para fazer pagamentos ilícitos a políticos e agentes públicos em São Paulo – aparecem quatro pagamentos no valor total de R$ 2 milhões a uma pessoa chamada Ademir Scarpin. As datas, valores e senhas coincidem com os pagamentos vinculados ao codinome “Sócio 1” na planilha da Odebrecht, que, por sua vez, está relacionado à obra Blumenau.

Na maioria dos casos, o apelido identifica o verdadeiro beneficiário dos pagamentos de propina e caixa 2, enquanto os nomes que aparecem nos arquivos da transportadora costumam ser os dos intermediários encarregados de pegar o dinheiro para os políticos.

Questionada sobre os codinomes, a PGR disse que não pode afirmar nada, pois os acordos são sigilosos. Quando os investigadores da Lava Jato encontram apelidos desconhecidos nos arquivos da Odebrecht eles acionam os executivos responsáveis pela operação, que são obrigados a esclarecer.


Sobre o autor