EconomiaHome

Debêntures incentivadas batem recorde em 2019 com emissão de R$ 33,76 bi

Por Pablo Vinicius Souza
01 fevereiro 2020 - 09:49

As debêntures incentivadas estão fazendo a cabeça do investidor e em 2019 as emissões desses papéis bateram um considerável recorde. No período, esses títulos do tipo privados dedicados ao financiamento para projetos de infraestrutura contabilizaram R$ 33,78 bilhões, conforme o relatório divulgado pela Secretaria de Política Econômica do Ministério da Economia.

Lançadas em 2012, essas debêntures permitem que investidores emprestem dinheiro para as empresas a fim de financiar projetos em infraestrutura. Esses empréstimos também podem ser destinados a projetos de investimentos em geral.

Para devolver o dinheiro emprestado pelos investidores, essas empresas pagam dos papéis a inflação pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) somado a um prêmio que, atualmente gira em torno de 5% ao ano, com isenção do Imposto de Renda (IR).

Apenas projetos definidos como prioritários podem ser financiados no caso de empreendimentos em infraestrutura, conforme o Decreto 8.874, de 2016. O saldo registrado em 2019 representa um avanço de 56,2% ante aos R$ 23,89 bilhões emitidos no ano anterior.

Só para ilustrar, as emissões de debêntures somaram R$ 6,2 bilhões apenas em dezembro. Hoje, existem R$ 92,23 bilhões de títulos desse tipo em circulação no mercado.

Segundo o subsecretário de Políticas Microeconômicas e Financiamento da Infraestrutura da SPE, Pedro Calhman, o volume total distribuído em debêntures de infraestrutura com esforços amplos e restritos foi de R$ 83,9 bilhões entre 2012 e 2019, sobretudo em projetos de energia, com R$ 62,18 bilhões.

Seguindo os projetos de energia estão os empreendimentos de transporte e logística (R$ 19,66 bilhões), de saneamento (R$ 1,11 bilhão) e projetos de telecomunicações, (R$ 948,5 milhões). Além disso, os R$ 8,34 bilhões restantes são destinados ao financiamento dos demais investimentos em geral.

Leia mais sobre o Boletim de Debêntures Incentivadas.

Leia mais notícias:

Ibovespa recua aos 113 mil e fecha a semana em queda de 3,9% com coronavírus no radar

Dólar dispara a R$4,28 renovando a máxima histórica com o avanço do coronavírus

Petróleo registra queda semanal superior a 4% pressionado pela proliferação do coronavírus


Sobre o autor