EmpresasHome

CSN prevê aumento de 4,7% no consumo de aços planos em 2020

Por Pablo Vinicius Souza
12 dezembro 2019 - 20:13
CSN (CSNA3)

A Companhia Nacional Siderúrgica (CSN) divulgou suas estimativas para a demanda de aços planos no mercado brasileiro, prevendo um crescimento de 4,7% em 2020.

Durante uma reunião com analistas na Apimec, a empresa apresentou uma projeção de considera elevação do consumo para 12,9 milhões de toneladas no próximo ano, sendo que em 2019, esta quantidade deve fechar em torno de 12,3 milhões.

Respondendo por 24% deste mercado, a CSN (CSNA3) acredita que a demanda interna será impulsionada pela melhora na estrutura macroeconômica e com o fortalecimento da indústria.

De acordo com a companhia, os preços praticados internamente deverão acompanhar os movimentos globais, de forma a estimular a produção local.

Além disso, houve uma melhora substancial na produtividade da CSN após a aplicação de investimentos de R$400 milhões em reparos no alto-forno 3.

A medida possibilitou aumentar a produção de 7,2 mil toneladas por dia para 9,2 mil toneladas, e para 2020, a expectativa é que a fabricação de placas cresça 60%, alcançando a marca de 4,65 milhões de toneladas.

Embora em 2019 a produção total seja 27% inferior ao que foi mensurado em 2018, a gestão da companhia destacou a redução nos custos devido à restauração da estrutura operacional.

Em dezembro, o custo por tonelada de placa de aço produzida caiu cerca de R$350, em comparação ao mesmo período do ano passado.

Para melhorar ainda mais a produtividade, a companhia pretende investir R$1,3 bilhão de 2019 a 2023, em processos mais eficientes e que consumam menos energia.

A CSN projeta que após as melhorias, o lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização por tonelada de aço longo alcance US$165 em 2023.

“A redução nos custos em razão dos investimentos conduz as margens de aço a níveis históricos. Aumentos adicionais virão com o aumento de preço” – informou a companhia.


Sobre o autor