Economia

Confiança Empresarial (ICE) recuou para 93,0 pontos em janeiro

Por Fast Trade
01 fevereiro 2021 - 17:00 | Atualizado em 01 fevereiro 2021 - 18:46

O Índice de Confiança Empresarial (ICE) declinou 2,2 pontos em janeiro, para 93,0 pontos, de acordo com a FGV/IBRE.

+ Guia do Investidor Iniciante: acesse o material gratuito.

Em médias móveis trimestrais, o indicador que consolida os índices de confiança dos quatro setores cobertos pelas Sondagens Empresariais produzidas pela Fundação Getulio Vargas (Indústria, Serviços, Comércio e Construção), mantém a tendência de queda iniciada em dezembro e recua 1,4 ponto no mês.

Assim como a Confiança Empresarial, o Índice de Situação Atual Empresarial (ISA-E) voltou a ceder (-2,7 pontos, para 95,1 pontos).

Do mesmo modo, o Índice de Expectativas (IE-E) contraiu em janeiro (-0,6 ponto), marcando sua quarta queda consecutiva, para 93,7 pontos.

Mesmo com o início da campanha de vacinação, o índice medidor do otimismo em relação à evolução da Demanda no trimestre seguinte caiu 4,0 pts.

Além disso, o indicador que mede a Tendência dos Negócios nos seis meses seguintes recuou 0,1 pt. Ambos haviam avançado no mês passado.

Assim também, o indicador de Emprego Previsto (três meses) também recuou na sondagem do primeiro mês de 2021 (-1,7 pontos).

+ Derivativos – O guia definitivo para começar a investir: confira!

Tendência de desaceleração na confiança empresarial

O recuo mais intenso da confiança empresarial em janeiro sinaliza a consolidação da tendência de desaceleração da atividade econômica esboçada no mês anterior”.

A avaliação é do Superintendente de Estatísticas do FGV/IBRE, Aloisio Campelo Jr..

+ Guia do Investidor Iniciante: confira!

De acordo com a FGV, todos os setores componentes do Índice de Confiança Empresarial (ICE) registraram queda na confiança em janeiro.

Até mesmo a indústria, que já havia acumulado oito altas seguidas, caiu 3,6 pontos, conforme a amostragem.

Na mesma linha, a confiança do setor de Serviços e da Construção cederam após anotarem saldos positivos em dezembro do ano passado.

“O setor de Serviços continua com dificuldades para reagir e volta a registrar o menor nível de confiança entre os quatro setores pesquisados”, disse Campelo.

Em contrapartida, a confiança do Comércio manteve a tendência, com recuo impulsionado pela piora do cenário atual.

Por fim, acesse o Press Release da Confiança Empresarial e acompanhe o portal Fast Trade para mais destaques econômicos.

+ Guia de A a Z de como se tornar um trader: baixe gratuitamente!

Antes de mais nada, leia também:

Dólar ronda a estabilidade de olho nas presidências da Câmara e do Senado

Incerteza da Economia mantém tendência de queda em janeiro, diz FGV


Sobre o autor