Mercados

Commodities e bolsas mundo afora pressionam Ibovespa futuro

Por TradersClub
22 junho 2022 - 10:39 | Atualizado em 22 junho 2022 - 11:51
Ibosvespa Futuro
Imagem: Freepik

O futuro do Ibovespa recua na manhã desta quarta-feira seguindo as bolsas americanas e a desvalorização das commodities energéticas, minerais e metálicas, diante da perspectiva de maiores taxas de juros, persistência da inflação e possibilidade de uma recessão global na maior economia do mundo.

+ Inscreva-se para a segunda edição do Invest Day!

Por volta das 09h05, o contrato futuro do Ibovespa recuava 2,01%, a 100.205 pontos, ensaiando sua décima primeira queda em treze pregões. No mesmo horário, o contrato de dólar futuro operava em alta de 0,73%, a R$5,182, seguindo o avanço de 0,14% no Índice Dólar DXY, cesta que mede o desempenho da moeda americana ante divisas pares.

Já as taxas dos contratos de juros futuros recuavam até 6 pontos-base ao longo da curva de vencimentos, apesar do tom mais duro na ata da última reunião de política monetária do Banco Central do Brasil, que prevê um cenário de continuidade de juros em patamares altos e inflação acima da meta para o próximo ano.

Hoje, os futuros das bolsas americanas recuam em média 1%, juntamente com as bolsas europeias. Diante da escassez de indicadores econômicos ao longo do dia, as atenções dos investidores estarão voltadas as falas do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, que participa de uma sabatina no Congresso dos EUA hoje, às 10h30.

Dependendo do tom de Powell, “o mercado pode piorar de vez, ou aliviar a queda”, disse um gestor sediado em Hong Kong. Para estrategistas do Morgan Stanley liderados por Michael Wilson, a correção de mercado – mais conhecida como “bear market” – não vai parar até “a recessão finalmente chegar ou o risco de ela ser eliminada para valer”.

Os sinais de receio por uma recessão econômica nesta manhã são notados nas desvalorizações das commodities energéticas, minerais e metálicas. Nesta madrugada, o minério negociado no porto de Dalian recuou 5,96%, para 709,5 iuanes, e por volta das 09h00, os contratos futuros do petróleo Brent operavam em queda de 4,52%, cotados a US$109,48 o barril. Movimento que segundo operadores de mercado deve pressionar ações de companhias com grande participação no Ibovespa, como Vale e Petrobras.

No Brasil, o governo estuda formas de fazer alterações na Lei das Estatais, de forma a exercer maior controle sobre a Petrobras. Refletindo o aumento de riscos políticos sobre as estatais, as ações de Banco do Brasil e Petrobras lideraram as perdas do Ibovespa na véspera. Segundo agências, o governo e os líderes do Congresso já concordaram em ampliar o Auxílio Gás e criar um auxílio caminhoneiro para amenizar as críticas sobre a alta dos combustíveis.

Perto das 09h, as 3,68% nas ADRs da Vale caíam 2,45% e as da Petrobras recuavam 2,08% no pré-mercado em Nova York.

Quer ficar informado de todas as novidades sobre o mercado financeiro? Então assine a newsletter Fast Break e receba as notícias mais relevantes do momento!

Commodities e bolsas mundo afora pressionam Ibovespa futuro

Leia também:

Embraer: Eve assina acordo para venda de 40 eVtols e expansão de centro de serviços em Sorocaba

Multiplan e Weg vão distribuir R$ 326,6 milhões em juros sobre o capital próprio


Sobre o autor