EconomiaHome

Com FGTS, crescimento do PIB pode surpreender, aponta estudo

Por Bruna Santos
05 agosto 2019 - 10:31
Acompanhe ao vivo: Discussão do parecer da reforma da Previdência

O crescimento do PIB pode superar as expectativas mediante a liberação imediata de recursos do FGTS, assim como do PIS/Pasep.

A informação, referente ao crescimento em 12 meses, foi divulgada pela LCA Consultores, obtida com exclusividade pelo ‘Estadão/Broadcast’.

De acordo com o estudo publicado, o crescimento previsto para o PIB pode superar as expectativas governamentais (0,35 ponto porcentual).

Foi calculado um impacto de 0,55 ponto em quatro trimestres, considerando cerca de R$ 42 bilhões de recursos em exercício.

O efeito percebido pelo crescimento do PIB aconteceria entre o último trimestre de 2019 e o terceiro trimestre de 2020.

Para tornar essa estimativa possível, a consultoria LCA se baseou na maior quantidade de beneficiados pelos saques dos respectivos recursos.

O baixo valor do saque médio também impactou diretamente o resultado, segundo Vitor Vidal, o economista responsável pela matéria.

Segundo Vidal, a situação das famílias contempladas pelo benefício também foi considerada para o julgamento de que a parcela destinada ao consumo pode superar a experiência anterior.

A Confederação Nacional de Comércio de Bens, Serviços e Turismo revelou que, em 2017, 25% dos R$ 44 bilhões liberados (contas inativas) foram usados para consumo.

A medida, na ocasião, contribuiu para a elevação do PIB entre 0,2 ponto e 0,3 ponto.

Para 2019/20, o Ministério da Economia prevê injeção de R$ 40 bilhões (FGTS) e R$ 2 bilhões (PIS/Pasep) na economia.

De acordo com o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, o cronograma de liberação dos recursos deve ser anunciado hoje (5).

Ademais, os mercados viram as taxas básicas de juros recuar uma semana após o Fundo Monetário Internacional (FMI) alertar para uma desaceleração do crescimento global.

Assim sendo, bancos centrais buscam estimular a economia, prevendo mais consumo e investimentos a partir do dinheiro “mais barato”.


Sobre o autor