Agronegócio

China suspende exportação de mais dois frigoríficos brasileiros

Por Fast Trade
07 julho 2020 - 07:00 | Atualizado em 07 julho 2020 - 08:00
China

No sábado passado (4), a China suspendeu as importações de dois frigoríficos brasileiros de carne suína, de acordo com a autoridade aduaneira chinesa.

A Administração Geral de Alfândegas da China (GACC) retirou os abatedouros gaúchos de suínos da BRF (BRFS3) em Lajeado e da JBS (JBSS3) em Três Passos da lista de plantas autorizadas a vender ao país, em meio a preocupações com o novo coronavírus. Ambos os frigoríficos brasileiros chegaram a registrar casos da nova doença entre funcionários.

Maior comprador de carne suína, a potência asiática vem pedindo que os exportadores certifiquem globalmente que seus produtos não estão contaminados pela Covid-19. Desde a semana retrasada, autoridades chinesas vêm bloqueando diversos frigoríficos globais.

Embora não existam evidências de que os alimentos transmitam o vírus, a China aumentou o controle sobre as importações para evitar uma segunda onda de contágio. No sábado, a GACC também notificou que países como Argentina, Holanda, Itália e Reino Unido suspenderam voluntariamente as exportações de algumas unidades.

Procurada pelo Valor Econômico, a JBS informou que não comentaria a decisão e, sobretudo, garantiu que estava adotando todos os esforços para garantir o abastecimento, bem como a produção de alimentos, “dentro dos mais elevados padrões de qualidade e segurança além da máxima proteção de seus colaboradores”.

Por sua vez, a BRF negou ter sido notificada oficialmente sobre a suspensão da habilitação para exportadores de carne suína da unidade de Lajeado.

O Ministério da Agricultura confirmou na véspera (6) a suspensão dos dois frigoríficos, que ocorreu em 4 de julho. Em nota, o governo brasileiro disse que prestou esclarecimento aos chineses e declarou que vai solicitar a reabilitação das respectivas unidades.

6 unidades de frigoríficos brasileiros estão suspensas

Somado aos dois novos listados, cinco frigoríficos brasileiros tiveram a autorização suspensa partindo da própria China, que vem mostrando uma recuperação de sua economia mais forte do que o previsto.

Entre os frigoríficos de bovinos, estão suspensos o Agra de Rodonópolis e a Marfrig de Várzea Grande, em Mato Grosso.

Além disso, os abatedouros de aves, a Minuano de Lajeado, no Rio Grande do Sul; e de frangos da Seara em Passo Fundo (RS). Nesse último caso, a suspensão partiu do próprio Ministério da Agricultura brasileiro.

Por fim, com as suspensões, o Brasil passou a contar com 14 frigoríficos de suínos autorizados a vender aos chineses.


Sobre o autor