EmpresasHome

Carrefour planeja dar continuidade à sua política de expansão no Brasil

Por Pablo Vinicius Souza
27 fevereiro 2020 - 18:57

O Carrefour (CRFB3) está planejando dar sequência à expansão de suas atividades no Brasil, apostando na estratégia de novas aquisições.

Segundo explicou o CEO da varejista, Alexandre Bompard, todos os modelos de lojas do grupo estão registrando um excelente desempenho e isso vem impulsionando o crescimento da companhia.

“Todos os sinais estão verdes, então aceleramos” – disse o executivo, acrescentando que o grupo está aberto às oportunidades de aquisição que poderão surgir ao longo do ano.

Recentemente, a empresa comprou 30 unidades da rede Makro fora de São Paulo por R$1,95 bilhão e adquiriu 49% da fintech Ewally, já se preparando para lançar um banco digital.

Durante a apresentação do balanço anual a investidores e analistas, Bompard destacou que os resultados sólidos permitem que o Carrefour seja mais agressivo em suas aquisições e estratégias de mercado.

Em 2019, o grupo voltou a registrar lucro líquido de 1,13 bilhão de euros, após amargar prejuízo de 582 milhões no ano anterior.

A melhora dos resultados foi impulsionada pelas operações na França e na América Latina, sobretudo, após o aumento da fatia no Brasil.

Na avaliação do CEO, as aquisições devem representar um motor para o crescimento das atividades que já são rentáveis, por isso, a companhia é muito seletiva em relação aos projetos.

Ele preferiu não comentar se há oportunidades sendo negociadas na França ou em outros países, mas ressaltou o apetite do grupo para aproveitar o bom momento e aumentar a participação no mercado.

Sobre a epidemia do coronavírus, Bompard disse que esta é uma das grandes preocupações do grupo em relação aos seus funcionários e fornecedores.

“Estamos estudando sistemas de fornecimento alternativos. Continuamos a trabalhar com diferentes opções, adaptados em função da evolução do vírus” – explicou.

Embora o executivo não tenha mencionado os possíveis impactos da epidemia na Itália (o seu quarto maior mercado) e no Brasil, ele ressaltou que as perspectivas seguem positivas em todos os cenários.


Sobre o autor