Economia

Caged: Brasil criou mais de 414 mil empregos formais em novembro, recorde da série histórica

Por Fast Trade
28 dezembro 2020 - 08:30 | Atualizado em 28 dezembro 2020 - 11:19
Caged

Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados na quarta-feira (23) indicaram o melhor novembro da série histórica para o indicador.

No total, foram registrados 414.556 novos postos de trabalho com carteira assinada no penúltimo mês do ano. Vale destacar que o recorde acontece mesmo em meio aos impactos da pandemia de covid-19.

Além disso, o saldo acumulado do ano ficou positivo pela primeira vez desde o início da pandemia.

De acordo com a Agência Brasil, esse desempenho foi sustentado principalmente pelo programa do governo Bolsonaro que permitiu a revisão de contratos de trabalho.

Nesse sentido, o projeto permitiu a redução de jornada e salário.

Para o secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Bianco, a medida evitou um número maior de demissões.

Ao comentar os dados do Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (BEm), Bianco destacou os “mais de 20 milhões de acordos realizados”.

Conforme reportagem do Ministério da Economia, “mais de 9 milhões de trabalhadores” foram beneficiados, bem como aproximadamente 1,4 milhão de empresas.

Guedes comenta o Novo Caged

Para o ministro da Economia, Paulo Guedes, o resultado de 2020 consolida a retomada em “V” da economia brasileira.

Isso porque, com o resultado de novembro – quinto mês consecutivo em que o número de contratações com carteira assinada supera o de demissões, os novos postos de trabalho criados já somam 227.025.

Segundo Guedes, o Brasil está surpreendendo positivamente o mundo com o desempenho da economia após a fase mais crítica da pandemia.

“Como eu disse, o Brasil está surpreendendo o mundo”, afirmou.

Essa declaração ocorreu em coletiva virtual para divulgação dos dados de novembro do Novo Caged.

Para sustentar sua análise de retomada, ele destacou o desempenho dos principais setores afetados pela pandemia: o comércio e serviço.

Com 179.261 e 179.077 postos respectivamente, ambos foram destaques na geração de emprego, segundo dados do Caged.

Por fim, ele criou um paralelo entre a “destruição de 1,5 milhão de empregos” na recessão de 2015, a “destruição de 1,3 milhão” de postos de trabalho em 2016, e a criação de 227 mil empregos no ano vigente.

Assista a coletiva:

https://www.youtube.com/watch?v=QSiCnHBkkwM&feature=emb_logo

Do mesmo modo, o presidente Jair Bolsonaro comemorou os resultados do Caged em sua página pessoal no Twitter. Segundo ele, os números mostram que a economia brasileira está reagindo.

Por fim, leia também:


Sobre o autor