Política

Brasil-China: Mourão cita oportunidade para ampliar relações bilaterais com a potência asiática

Por Fast Trade
26 novembro 2020 - 17:16 | Atualizado em 26 novembro 2020 - 19:11

Em videoconferência organizada pelo Conselho Empresarial Brasil-China, o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, sinalizou a possibilidade de expandir os negócios entre os países.

“As novas estratégias chinesas de economia circular e sustentabilidade, representam oportunidades para ampliar e diversificar nossas relações econômicas bilaterais”, disse.

Sem citar projetos específicos, o vice, que representa o País na Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (Cosban), defendeu que “o governo brasileiro precisa caminhar junto com o governo chinês de forma objetiva”.

“Precisamos agora lançar o olhar para o futuro de modo a encontrar meios de ampliar e diversificar as relações existentes, criando oportunidades para outros setores da nossa economia e da nossa sociedade”, disse.

Baixe agora: Derivativos – O guia definitivo para começar a investir

Livre comércio entre Brasil-China

Respondendo por cerca de 40% das exportações do agronegócio brasileiro, a China já havia demonstrado interesse em estabelecer um acordo de livre comércio com o Brasil. O tema, no entanto, é considerado sensível, conforme destacou o ministro conselheiro da Embaixada chinesa no Brasil, Qu Yuhui, em julho deste ano.

Mesmo assim, Yuhui disse que é preciso começar a pensar no livre comércio entre Brasil-China ao invés de discutir casos isolados de aberturas de mercado. “O Brasil tem conseguido ocupar fatia significativa do mercado chinês, com 30% da importação. O potencial é muito grande, não podemos ficar por aí”, afirmou.

Ao mesmo tempo, o Ministério da Agricultura indicou que há novos produtos para negociar com a potência asiática. “Oportunidade e estratégia andam juntas na nossa relação com a China”, afirmou hoje o vice-presidente.

Baixe agora: Guia de A a Z de como se tornar um trader!

Panos quentes

Sem abordar o 5G, o vice discursou pouco após a embaixada da China no Brasil se manifestar “sobre os comentários difamatórios” de Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), deputado e filho do presidente da República, Jair Bolsonaro.

Presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara, Eduardo escreveu na segunda-feira (23) sobre o 5G – e posteriormente apagou na terça. A internet móvel de quinta geração virou uma disputa entre a potência asiática e os EUA.

Nesse sentido, o deputado escreveu no Twitter que “o governo Jair Bolsonaro declarou apoio à aliança Clean Network”. Ele completou informando que a aliança foi lançada pelo governo Donald Trump, “criando uma aliança global para um 5G seguro, sem espionagem da China”.

Embora não tenha tocado no assunto, Mourão reforçou que a China é o principal parceiro comercial do Brasil há uma década.

Nem mesmo a pandemia de covid-19 alterou esse quadro, afirmou. Em contrapartida, disse, as autoridades chinesas estimam que a importação de produtos brasileiros baterá recorde em 2020, “contrastando com o contexto de desaceleração generalizada, verificado para o comércio internacional”.

Além disso, leia também: Comércio entre Brasil-China pode bater recorde em 2020

Assim também, quer ficar informado de todas as novidades sobre as técnicas e estratégias aplicadas ao day trade? Participe do Canal do Fast Trade no Telegram clicando no link: https://t.me/plataformafasttrade

Por fim, veja:

Ibovespa opera em queda com feriado nos EUA e correção nas blue chips

B3: os destaques de Petrobras, Guararapes, Telefônica e Cemig

Sondagem da Indústria indica alta de 1,6 ponto na confiança em novembro, mostra FGV

Empresas de capital aberto lucram quase 87% no terceiro trimestre

Produção de grãos da safra 2020/21 deve bater recorde

CRFB3: Carrefour perde R$ 2 bilhões em valor de mercado após homicídio em loja

GOLL4: média diária de voos da Gol sobe 34% em outubro

CCRO3: CCR anuncia emissão de R$ 960 milhões em debêntures

AZUL4: Azul anota prejuízo de R$ 1,2 bilhão no 3T20, mas melhora previsões

CVCB3: CVC anota prejuízo líquido de R$ 172,2 milhões no terceiro trimestre

Cosan (CSAN3): lucro líquido recua 62,9% no 3T20, para R$ 303,8 milhões

Via Varejo (VVAR3) reverte o prejuízo de 2019 e lucra R$590 milhões no 3T20


Sobre o autor