HomePolítica

Fundo eleitoral: Bolsonaro volta a indicar sanção; “é lei”

Por Bruna Santos
03 janeiro 2020 - 09:35
fundo eleitoral

presidente Jair Bolsonaro reforçou a sua tendência de sancionar uma proposta aprovada pelo Congresso que estabeleceu um valor de R$ 2 bilhões para o fundo eleitoral de 2020. Primeiramente, Bolsonaro havia dado indícios de que vetaria o fundo eleitoral para 2020, aprovado por senadores e deputados,

“A minha opinião é que não tem que ter dinheiro para fundo eleitoral para ninguém“, havia dito ele anteriormente. Em meados de dezembro, contudo, ele esclareceu que sancionar a medida prevista no Orçamento é “lei”, então, deve cumpri-la.

Ontem ele voltou a reforçar seu posicionamento em frente ao Palácio da Alvorada. Bolsonaro destacou que o fundo eleitoral é previsto em lei, mas também que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) enviou ofício à Receita Federal com a estimativa do valor a ser repassado este ano, de R$ 2 bilhões.

Sem querer afirmar com todas as letras o seu próximo passo, o presidente destacou que a sanção é “uma obediência à lei”. “A conclusão agora é de vocês”, disse. Ele ressaltou, inclusive, estar em curso do crime de responsabilidade caso haja um veto.

Bolsonaro aproveitou a breve entrevista para salientar a publicação recente da medida provisória que fixou o valor do novo salário mínimo para 2020 em R$ 1.039. Nesse sentido, destacou, o valor do ano ficou acima do que caso a política de reajuste do mínimo da época dos governos petistas ainda vigorasse.

Confira mais destaques além do fundo eleitoral:

Bolsa deve ter ofertas de R$ 30 bilhões no início de 2020; exportação de petróleo e outros

Indicadores econômicos: IPC-S; pedidos de auxílio-desemprego; atividade econômica chilena

Brasil bate recorde em exportação de petróleo no mês de dezembro e avança 9% em 2019

Balança comercial encerra 2019 com superávit de US$ 46 bilhões; pior desempenho em 4 anos

 


Sobre o autor