HomePolítica

Bolsonaro indica Augusto Aras para PGR e gera mal-estar com Moro e eleitores

Por Eloiza Amaral
06 setembro 2019 - 11:45

O presidente Jair Bolsonaro indicou na última quinta-feira (5), o subprocurador Augusto Aras para substituir Raquel Dodge em um mandato de dois anos como procurador-geral da República, e desconsiderou a lista tríplice.

Esta é a primeira vez em 16 anos que o nome escolhido para a PGR não foi um dos que estavam na lista tríplice da Associação Nacional dos Procuradores da República. Em nota, a ANPR afirmou que “a escolha significa, para o Ministério Público Federal, um retrocesso institucional e democrático”.

O ministro da Justiça, Sérgio Moro defendia que o novo procurador fosse selecionado com base nesta lista, mas foi ignorado. Vale ressaltar, que Aras é crítico dos métodos da Lava Jato, que considera “personalistas”.

A candidatura de Aras foi lançada de forma avulsa em abril, e o escolhido ainda precisa passar por uma sabatina do Senado e ser aprovado pelo plenário.

O presidente foi bastante criticado por seus eleitores nas redes sociais, e pediu que os comentários fossem apagados.  “Peço a vocês, vá no Facebook, você fez um comentário pesado, retira. Dá uma chance para mim. Você acha que eu quero colocar alguém lá (na PGR) para atrapalhar a vida de vocês? Não é”, disse o presidente, em transmissão ao vivo no Facebook ontem.

“Pessoal que votou em mim, tem pelo menos 20% falando que acabou a esperança dele, que vai votar no (Sérgio) Moro em 2022. Pessoal, atire a primeira pedra quem não cometeu um pecado. Eu tinha que escolher um nome”, afirmou Bolsonaro.

Em entrevista ao Estado em maio, Aras defendeu uma “disruptura” no Ministério Público e disse que o procurador-geral não pode ser personalista, “que se promove todos os dias como se a instituição tivesse de dar pão e circo para o povo, para a mídia, porque essa instituição deve submissão à Constituição e às leis do País”

Para Aras, em alguns casos as delações premiadas – um dos pilares da Lava Jato – foram usadas para atingir adversários com “fins espúrios”.


Sobre o autor