HomePolítica

Bolsonaro fala de novo corte no Orçamento

Por Pablo Vinicius Souza
21 julho 2019 - 09:26
Jair Bolsonaro se reuniu para iniciar o planejamento de transição de mandato

Contrariando Lorenzoni, o presidente Jair Bolsonaro chamou a atenção no sábado (20) para um possível “novo corte” no Orçamento.

Anteriormente, o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, informou que o governo não estava prevendo novo contingenciamento.

Essa não é a primeira vez que a equipe de Jair Bolsonaro congela uma parcela das verbas do Orçamento Federal.

Em maio, o governo federal anunciou um bloqueio de 30% no orçamento de todas as universidades e institutos federais.

Pressionados, usou chocolates para explicar o contingenciamento na tradicional live das quintas-feiras do presidente da República.

De acordo com o ministro da Educação, Abraham Weintraub, o bloqueio atingiu apenas 3,4% do orçamento total das universidades federais.

O objetivo é cumprir a meta de déficit primário, isto é, despesas maiores que receitas, sem juros da dívida pública.

Para 2019, a Lei de Diretrizes Orçamentárias permite um déficit primário de até R$ 139 bilhões.

A jornalistas, Bolsonaro falou que o corte no Orçamento será de R$ 2,5 bilhões, independente de qual seja a pasta.

Segundo ele, o valor especulado para o corte no Orçamento é uma “merreca” perto do Orçamento da União.

Lorenzoni, contudo, afirmou que a equipe trabalha para evitar bloqueios de verba no novo Relatório Bimestral de Avaliação de Receitas e Despesas, previsto para ser publicado amanhã (22).

Apesar da especulação, o corte é incerto. “O que deve acontecer, não quer dizer que vai acontecer””, disse o presidente.

“Em vez de cortar em seis ou sete ou oito ministérios e todo mundo ficar, morrer praticamente, corta de um só. Vamos matar um ministério só”, disse ele.

Leia mais:

Bolsa de Valores bate recorde de capitalização de mercado

Ibovespa recua 1,21% com redução das expectativas sobre o Federal Reserve

Dólar sobe a R$3,74 com estímulos do Fed no radar

Petróleo fecha em alta com tensões geopolíticas EUA-Irã e preocupações sobre a oferta


Sobre o autor