Política

Bolsonaro e Moro trocam farpas no Twitter após demissões

Por Bruna Santos
26 abril 2020 - 10:59 | Atualizado em 27 abril 2020 - 07:39
Bolsonaro e Moro

Após o diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Leite Valeixo, ser exonerado do cargo, Bolsonaro e Moro protagonizaram alguns desafetos. O ex-ministro sinalizou que sairia caso a troca ocorresse e chegou a expor conversas para provar as acusações que fez, após confirmar sua saída.

Supostamente, Bolsonaro teria admitido querer interferir politicamente na PF e pedido acesso a relatórios de inteligência e investigações. Ademais, Bolsonaro teria sinalizado a troca do diretor-geral da PF após mandar para Moro o link de uma matéria cujo título apontava investigações da PF contra 12 deputados bolsonaristas.

Diante disso, o Chefe do Executivo lembrou no Twitter do apoio à Moro durante o período conhecido como “Vaza Jato”. Moro enfrentava os “vazamentos sistemáticos” de mensagens entre membros do MPF e pedidos de prisão oriundos do PT e PDT.

Posteriormente, o ex-ministro respondeu no Twitter: “sobre reclamação na rede social do sr. presidente quanto à suposta ingratidão: também apoiei o PR quando ele foi injustamente atacado. Mas preservar a PF de interferência política é uma questão institucional, de Estado de Direito, não de relacionamento pessoal.

Bolsonaro e Moro devem continuar alimentando a crise política que tem potencial de desestabilizar os mercados já fragilizados.

Acompanhe as movimentações do mercado local:

Impeachment de Bolsonaro volta ao radar

Ibovespa registra queda semanal de 4,6% com crise política

Dólar fecha a R$5,65 com declarações de Moro e foco no BC


Sobre o autor