HomePolítica

Bolsonaro diz que militares entrarão em ‘segunda parte’ da reforma da Previdência

Por TradersClub
23 janeiro 2019 - 10:19

O presidente Jair Bolsonaro disse que os militares deverão entrar na “segunda parte” da reforma da Previdência, sem especificar o que isso quer dizer, em mais um aceno à drasticidade da iniciativa econômica mais relevante do início do seu mandato.

Baixe o Infográfico: 5 motivos – Por Que Investir na Bolsa Agora É Um Bom Negócio

Em entrevista à Bloomberg News concedida em Davos, na Suíça, Bolsonaro não deu mais detalhes sobre o tópico, mas disse estar confiante de o Congresso fará apenas “pequenas mudanças” no texto da reforma da Previdência que for apresentado. Ele enfatizou que apresentará uma reforma substancial, já que há consciência de que ela é vital para saúde financeira do país.

Baixe o E-book O Guia Completo de Como Ter Sucesso Nas Operações de Day Trade

A relevância da reforma da Previdência é grande, especialmente para manter as contas públicas sustentáveis. Por conta do rombo na Previdência Social, que ultrapassa a média de R$100 bilhões por ano, economistas tanto do governo como do setor privado avaliam que, sem um ajuste nos benefícios e outros mecanismos das aposentadorias, o país não contará com inflação baixa, juros baixos e continuará no caminho do crescimento medíocre.

Relatório gratuito – Petrobras: O petróleo é nosso

Além da reforma da Previdência Social, o governo pretende rever os benefícios fiscais, estimados em mais de R$370 bilhões para esse ano, disse Bolsonaro em discurso em Davos ontem, onde ele participa do Fórum Econômico Mundial.

Relatório gratuito – Banco do Brasil: O gigante acordou

Segundo contribuidores TC, a fala ambígua – principalmente no que se refere a uma possível “segunda parte” da reforma da Previdência – pode deixar o mercado tenso no pregão de hoje, mas o fato de manter a direção da reforma no rumo correto pode levar a uma releitura. Fique de olho na reação da curva de juros e em possíveis sinalizações mais claras por parte do ministro da Economia, Paulo Guedes.


Sobre o autor