Ações

Bolsas globais caem após EUA acusar origem da Covid-19 em laboratório chinês

Por Bruna Santos
04 maio 2020 - 07:43 | Atualizado em 04 maio 2020 - 11:38
Sexta-feira de cautela

As principais Bolsas globais reagiram a uma nova curva de tensão entre Estados Unidos e China.

Sem provas, o presidente Donald Trump alegou acreditar que um “erro” na China foi a causa da propagação do coronavírus. Horas antes, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo disse que “uma quantidade significativa de evidências” sugeria que o vírus emergia de um laboratório chinês, segundo informou a CNBC.

Embora as acusações tenham sido negadas pelo governo da China, os mercados asiáticos que abriram neste pregão foram derrubados.

Na Europa, o índice CAC-40 (França) recuava 4,5% por volta das 6h50, seguido do Dax (Alemanha), que desvalorizava 3,7%. Próximo do mesmo horário, os futuros do Dow Jones e do S&P 500 caíam em torno de 1,5%.

Do mesmo modo, o contrato de petróleo WTI tinha baixa de 7,6%, para US$ 18,58. O Brent, por sua vez, caía quase 3%, para US$ 25,67 o barril.

Além disso, os investidores monitoram todo indicador que ajude a entender os impactos do coronavírus nas Bolsas globais.

Hoje, a IHS Markit divulgou que o índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) industrial da zona do euro caiu de 44,5 em março para a mínima recorde de 33,4 em abril.

Saem na China os números do PMI Caixin serviços, que segundo a Bloomberg deve subir, além da balança comercial.

Será divulgado na sexta-feira (8) um dos maiores destaques da semana, o relatório de emprego de fevereiro dos EUA (Payroll). Assim também, os pedidos semanais de seguro-desemprego nos EUA, que saem na quinta-feira (7), ainda serão monitorados com atenção.

Por fim, leia os últimos destaques do mercado e fique ligado no portal para saber mais das Bolsas globais:

Bateria de indicadores e resultados corporativos; os destaques da semana

Moro depôs por quase 9h à Polícia Federal

Depoimento à PF: Moro fala neste sábado sobre acusações contra Bolsonaro

Taxa de desemprego é de 12,2% no 1T20; Bolsonaro questiona eficácia da quarentena


Sobre o autor