AçõesHome

Bolsas de Wall Street fecham nas máximas com negociações EUA-China e aceno de Trump ao Congresso

Por Bruna Santos
13 fevereiro 2019 - 08:26
Ibovespa desaba com prisão de Temer e Previdência dos Militares no radar; dólar avança a R$3,80

As Bolsas de valores de Wall Street fecharam o pregão desta terça-feira (12) atingindo as máximas desde dezembro do ano passado. O clima de entusiasmo surgiu com a retomada das negociações entre EUA e China, indicando que haverá um acordo entre os dois países, e em atenção ao aceno de Trump ao Congresso, no intuito de aceitar a nova proposta de orçamento e dar um fim ao shutdown do governo americano.

O Dow Jones disparou 1,49%, aos 25.425 pontos, o S&P 500 avançou 1,29%, aos 2.744 pontos e o Nasdaq Composto subiu 1,46%, aos 7.414 pontos. No ano, os índices acumulam valorização de 8,99%, 9,49% e 11,75% respectivamente. Os setores de materiais básicos, industrial e tecnologia lideraram o ranking positivo da sessão.

Baixe o e-book: Desvendando o swing trade: tudo o que você precisa saber!

Dentre as opções de Dow Jones, os melhores desempenhos foram as companhias Carterpillar (+2,90%), 3M (+2,82%) e DowDuPont (+2,62%). No Nasdaq Composto, o destaque foi para as ações da CAS Medical Systems (+54,14%), Pernix Therapeutics Holdings (+36,62%) e Applied DNA Sciences (+32,95%).

Segundo analistas, a alta nas Bolsas americanas reflete os desdobramentos da condução das políticas externas, com o governo americano tentando chegar a uma solução para finalizar a guerra comercial. Trump destacou que poderá estender o prazo da trégua de 90 dias, caso haja progresso na deliberação dos termos junto ao gigante asiático.

Relatório gratuito: 7 passos para suas finanças ficarem no azul

Contudo, se não houver um consenso entre as partes, as tarifas aos produtos chineses aumentarão de 10% para 25%, elevando ainda mais os custos das empresas, que já lidam com um momento complicado de desaceleração na demanda global e retração nos lucros.


Sobre o autor