HomeMercados

Bolsas da Europa fecham em queda temendo decisão do Fed sobre corte de juros

Por Eloiza Amaral
08 julho 2019 - 15:52
Bolsas da Europa fecham em alta com indicadores otimistas da China e da zona do euro

As Bolsas da Europa fecharam o pregão desta segunda feira (8), em queda repercutindo os dados de grande geração de emprego nos Estados Unidos em junho, o que pode fazer o que o Federal Reserve não se sinta mais pressionado em reduzir a taxa de juros do país.

O índice pan-europeu Stoxx 600 registrou baixa de 0,07% a 389,82 pontos. O FTSE 100 de Londres foi a 7.549,27 pontos, com recuo de 0,05%. O alemão DAX 30 de Frankfurt marcou queda de 0,20%, com 12.543,51 pontos.

Na França, o CAC 40 de Paris, teve declínio de 0,08% a 5.589,19 pontos, e o FTSE Mib de Milão cedeu 0,04%, a 21.976,00 pontos. Em Madri, o índice espanhol IBEX 35 perdeu 0,54% terminando o dia com 9.284,70 pontos, enquanto o BEL 20 de Bruxelas teve contração de 0,96% indo a 3.608,59 pontos. Por fim, o lisbonense PSI 20 ficou com menos 0,35% e 5.174,52 pontos.

Na sexta feira (5), o governo americano anunciou que o mercado de trabalho do país criou 224 mil novos postos de serviço não agrícolas em junho. Este foi o maior resultado para o índice nos últimos cinco meses.

O anuncio criou nos investidores a ideia de que não há urgência num corte de juros, o que gerou impactos negativos nos Estados Unidos e na Europa. O mercado, inclusive, já havia até precificado o corte em julho. O que resta agora é esperar um posicionamento sobre política monetária do presidente do Fed, Jerome Powell.

Na Europa, o anúncio feito ontem de reestruturação do banco alemão Deutsche Bank caiu como uma pedra nas sessões. A medida inclui cortes nos setores de investimentos e a extinção de cerca de 18 mil empregos.

A iniciativa chegou a valorizar os papéis do banco na manhã desta segunda, mas a empresa fechou com recuo de 5,39%, pesando sobre o índice da Bolsa de Frankfurt DAX.

O ING Group acredita que apesar das mudanças serem impactantes num primeiro momento, a longo prazo serão úteis para melhorar a saúde financeira do banco. “Consideramos uma reestruturação substancial necessária para combater o desempenho fraco do banco”, mesmo sabendo ‘’que as medidas envolvem riscos substanciais e tornam a empresa mais vulnerável’’, avalia Suvi Platerink, analista sênior de crédito do ING.

Cidade Índice 05/07 08/07
Toda a Europa Stoxx 600 0,72% -0,07%
Frankfurt DAX 30 -0,49% -0,20%
Londres FTSE 100 -0,66% -0,05%
Paris CAC 40 -0,48% -0,08%
Milão FTSE Mib -0,61% -0,04%
Madri IBEX 35 -0,70% -0,54%
Bruxelas BEL 20 -0,38% -0,96%
Lisboa PSI 20 -0,33% -0,35%

Sobre o autor