Mercados

Bolsa brasileira opera em queda pressionada por balanços e cena fiscal; dólar sobe

Por Fast Trade
29 outubro 2021 - 13:21 | Atualizado em 29 outubro 2021 - 15:30
Bolsa

A Bolsa brasileira opera em queda nesta sexta-feira (29), pressionada pela temporada de balanços corporativos e pelas incertezas da cena fiscal. Fazendo uma sessão de intensa volatilidade, o índice geral repercutia as falas do presidente Jair Bolsonaro que derrubaram as ações da Petrobras.

Isto porque, o líder do Planalto afirmou que a estatal precisa aumentar os preços dos combustíveis para seguir a legislação que, atualmente, está sendo revisada. Ele também explicou que a companhia precisa ter um papel social e não pode ter lucros tão altos.

Desse modo, os papéis da estatal registravam perdas superiores a 4%, mesmo após divulgar números robustos no terceiro trimestre. Inclusive, a Petrobras divulgou que vai antecipar o pagamento de dividendos no valor de R$ 31,6 bilhões, o que é um reflexo de seu excepcional desempenho.

Saiba mais: + Petrobras: resultados do 3º tri, distribuição de dividendos; repercussão política

Ao mesmo tempo, no cenário político, a votação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) dos precatórios foi adiada novamente e ficará para a próxima semana. Essa informação foi divulgada pelo líder do governo na Câmara, o deputado Ricardo Barros (PP).

Como resultado, os investidores continuam receosos frente à possível extensão do Auxílio Emergencial através da abertura de créditos suplementares. Esta é a alternativa que está sendo costurada pelo governo, caso o projeto dos precatórios não seja aprovado.

A seguir, as movimentações do pregão na B3:

Maiores altas do índice geral: Minerva (BEEF3), Marfrig (MRFG3), JBS (JBSS3), BRF (BRFS3) e Suzano (SUZB3).

Maiores quedas do índice geral: Alpargatas (ALPA4), Usiminas (USIM5), Getnet (GETT11), Banco Inter (BIDI4) e Petrobras (PETR3).

Às 13h21 (horário de Brasília), o Ibovespa recuava 0,89% aos 104.765 pontos, registrando um volume financeiro de R$11,745 bilhões.

Dólar avança seguindo o clima negativo no exterior

O dólar comercial subia 0,59% contra o real, na cotação de R$ 5,6580 na venda, seguindo o clima negativo no exterior em meio às preocupações com a inflação. Assim como ocorreu nos EUA, os preços praticados na Zona do Euro também ficaram em níveis acima do esperado, de modo a pressionar as curvas de juros.

Por isso, a divisa americana se fortalecia nos mercados emergentes, refletindo a demanda por proteção diante de um cenário de instabilidade econômicas e fraqueza na recuperação da atividade pós-pandemia.

+ Guia de A a Z de como se tornar um trader

Em contrapartida, os juros futuros recuavam precificando o superávit primário de R$ 12,9 bilhões do setor público consolidado, que surpreendeu mostrando um cenário de arrecadação melhor do que o esperado.

Quer ficar informado de todas as novidades do mercado financeiro? Então participe do Canal do Fast Trade no Telegram através do link: https://t.me/plataformafasttrade

Bolsa brasileira opera em queda pressionada por balanços e cena fiscal; dólar sobe

Leia também:

Usiminas registra lucro de R$ 1,82 bilhão no 3º trimestre de 2021

Incorporadoras brasileiras devem manter números sólidos apesar de vendas menores


Sobre o autor