EconomiaHome

Boletim Focus; reservas cambiais; balança comercial e mais indicadores econômicos

Por Bruna Santos
07 outubro 2019 - 10:19
Nossa agenda local de indicadores econômicos tem como destaque a divulgação da Pesquisa Mensal do Comércio de setembro do IBGE.

Nossa agenda doméstica desta semana é inaugurada pelo tradicional boletim Focus, publicado às segundas-feiras pelo Banco Central.

Posteriormente, o IBGE divulga a estimativa da safra de grãos referente ao mês de setembro.

Ainda pela manhã, a Anfavea informa dados da produção mensal de automóveis, também relacionada ao mês de setembro.

Por fim, o Ministério da Economia divulga nesta tarde os números da balança comercial semanal.

No exterior, os Estados Unidos divulgam os dados importantes de crédito ao consumidor. O mercado acompanha ainda a fala presidente do Federal Reserve, Jerome Powell.

As reservas cambiais da China, as maiores do mundo, caíram US$ 14,8 bilhões em setembro, segundo a agência reguladora de câmbio local.

De acordo com os dados publicados no domingo (6), as reservas contraíram acima do esperado para US$ 3,092 trilhões.

O dado surpreendeu, uma vez que o yuan se recuperou de sua maior queda mensal em 25 anos em agosto.

Atualmente, a potência asiática vem enfrentando um resfriamento da economia diante de crescentes tensões comerciais com os Estados Unidos.

Segundo economistas consultados pela Reuters, a expectativa era de queda mais singela (US$ 6 bilhões) em relação a agosto.

O recuo é atribuído às flutuações nas taxas de câmbio e no preço de ativos, afirmou a reguladora.

Na Europa, as encomendas às indústrias alemãs recuaram 0,6% em agosto na comparação com julho, abaixo das expectativas do mercado.

Monitorando impasses 

A guerra comercial ainda dará muito pano para manga. Isso porque um acordo mais amplo só deverá ser travado após a decisão de quem será o próximo presidente dos EUA com as eleições no próximo ano. Como a China tem esperanças de que Trump deverá abrir mão de alguns pontos enquanto concorre ao cargo mais importante do país ou ainda pode contar com a chance de que um candidato mais aberto às negociações vença, prefere tratar os tópicos mais relevantes aos poucos. Essa semana será marcada pelo encontro dos dois países em Washington, porém as autoridades chinesas já reduziram significativamente a lista de questões a serem discutidas (como reformas de políticas industriais e subsídios do governo), reduzindo assim, a chance de um acordo mais amplo. Além disso, um aumento de tarifas dos EUA contra produtos chineses é esperado a partir do dia 15 deste mês. As Bolsas chineses só retornam amanhã após o feriadão e deveremos acompanhar como está o humor dos investidores em relação a mais um encontro.

Por aqui, é o último dia de reserva para o IPO da joalheria Vivara, a oferta promete movimentar o mercado brasileiro que conta com início de negociação de suas ações VIVA3 no próximo dia 10. Ademais, é necessário monitorar a divisão dos recursos do mega leilão do pré-sal entre estados, municípios e parlamentares (através de emendas). Por enquanto, o governo federal defende 10 por cento para estados, municípios e emendas parlamentares, e o Congresso não aceita menos que 15 por cento. Acompanharemos de perto já que o impacto pode chegar até ao calendário de aprovação da reforma da Previdência.

Por Glenda Ferreira – Especialista em Investimentos na Levante Ideias de Investimentos


Sobre o autor