Economia

Boletim Focus: queda na projeção do PIB pela 7º semana consecutiva

Por Fast Trade
29 novembro 2021 - 11:00 | Atualizado em 29 novembro 2021 - 13:25
Boletim Focus

O Boletim Focus desta segunda-feira (29) projeta uma retração do PIB em 2021 pela sétima semana consecutiva. Agora de 4,80% para 4,78%. Para o próximo ano, 2022, a projeção moveu-se de novo de 0,70% para 0,58%. Em 2023, contudo, a expectativa se manteve no crescimento de 2,00%.

O mercado, além disso, revisou para cima também e pela trigésima quarta semana consecutiva o IPCA. Em 2021 o índice de inflação saiu de 10,12% na semana passada para a expectativa de 10,15% esta semana.

+ Desvendando o Swing Trade: Tudo o que você precisa saber!

Para 2022, a projeção teve elevação pela décima nona semana seguida, movendo-se de 4,96% para 5,00%. Por fim, para 2023, a projeção manteve-se em 3,42%.

A meta de inflação perseguida é de 3,75% em 2021, 3,50% em 2022 e 3,25% em 2023. Isso, contudo, com intervalo de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

Projeções da Selic e do Dólar

De acordo com o Boletim Focus, o ponto-médio das expectativas para a taxa básica de juros (Selic) em 2021 manteve-se em 9,25%. No mesmo sentido, para o próximo ano a Selic ficou em 11,25%. Para 2023 ela marcou os mesmos 7,75%.

Na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), houve aumento de 1,5 ponto percentual na Selic, para 7,75% ao ano. O Banco Central, ademais, sinalizou ao mercado aumentos de mesma intensidade na próxima reunião.

+ Guia de A a Z de como se tornar um trader

Por fim, o dólar no final deste ano, 2021, e do próximo, 2022, deve ficar em R$ 5,50, mantendo, portanto, a expectativa da semana anterior. Em 2023 a projeção é da moeda norte-americana em R$ 5,30, mantendo a expectativa da semana passada.

Quer ficar informado de todas as novidades sobre o mercado financeiro? Então participe do Canal do Fast Trade no Telegram acessando o link: https://t.me/plataformafasttrade

Boletim Focus: queda na projeção do PIB pela 7º semana consecutiva

Leia também:

Com reavaliações sobre nova cepa, mercados globais aumentam apetite por risco


Sobre o autor