Economia

Banco Central projeta forte recessão do PIB em 2020

Por Fast Trade
03 abril 2020 - 16:18 | Atualizado em 03 abril 2020 - 17:55
atividade econômica (prévia do PIB); Banco Central
Foto: Arquivo Istoé

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, está prevendo um cenário muito negativo em 2020, com uma queda de 5,5% no Produto Interno Bruto (PIB).

Durante a uma reunião com ministros do Tribunal de Contas da União (TCU), ele citou as projeções realizadas pela The Economist Intelligence Unit para a economia brasileira, destacando as perdas financeiras decorrentes da pandemia.

Para o executivo, esse levantamento é bastante respeitado e merece credibilidade, embora os dados sejam muito pessimistas em comparação à previsão realizada pela própria autoridade monetária.

A última estimativa realizada pelo BC no Relatório Trimestral de Inflação indica estabilidade de crescimento este ano, porém, com os acontecimentos recentes, é relevante enfatizar que tal perspectiva está defasada.

Nesse sentido, Campos Neto afirmou que o Brasil aparece com o desempenho do mundo dentre os países avaliados pela instituição, passando de um crescimento de 2,4% antes do Covid-19, para recessão de 5,5% após a disseminação.

Na visão do presidente, o declínio do mercado acionário nacional exerceu um severo impacto na economia, de modo que, mesmo com todas as medidas de estímulo que serão aplicadas, será impossível recuperar o montante perdido.

Ademais, Campos Neto ressaltou a importância das reservas internacionais para a segurança do país e mostrou em um gráfico a fuga intensa de capitais dos mercados emergentes neste momento de crise.

Ele também explicou que, no curto prazo, será “cada um por si”, pois não haverá ingresso de capital estrangeiro em nenhum lugar do mundo.

Confira as últimas notícias do mercado financeiro:

Na contramão do mercado, JBS abre 3 mil vagas de emprego no Brasil

Desemprego nos EUA e instabilidade política pressionam queda do Ibovespa

Dólar é negociado a R$5,29 com piora na percepção do risco

Varejo brasileiro perde 21% de faturamento; China prioriza economia e retorno ao trabalho


Sobre o autor