Economia

Balança comercial: China é responsável por mais da metade do superávit do Brasil

Por Fast Trade
18 janeiro 2021 - 08:30 | Atualizado em 18 janeiro 2021 - 10:51
Foto: Valter Campagnolo/Agência Brasil

De acordo com o Boletim de Comércio Exterior (Icomex), a China respondeu por US$ 33,6 bilhões no superávit de US$ 50,9 bilhões da balança comercial.

+ Guia de A a Z de como se tornar um trader: baixe gratuitamente!

Conforme levantamento do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FVG/Ibre), o resultado é referente a 2020.

Em volume, o salto nas exportações para o principal parceiro comercial do Brasil chegou a 17%, puxado principalmente pelas commodities.

Nesse sentido, a FGV/IBRE explicou que “o aumento nas exportações de commodities direcionadas para a China atenuou a queda nas vendas externas”.

Vale destacar que o ano passado foi fortemente impactado por uma retração na demanda mundial, em razão da covid-19.

Conforme a nota divulgada pela FGV, o desempenho das commodities explica os 66% do total, em valores, exportados em 2020.

Assim sendo, mesmo em ano marcado pela pandemia de covid, os valores renovaram recorde da série histórica iniciada em 1998, quando foi de 40%.

Além disso, o valor das exportações de commodities aumentou 0,5% na passagem de 2019 para 2020.

Em contrapartida, o valor das exportações das não commodities registraram um decréscimo de 18,5% na mesma base de comparação.

Do mesmo modo, as commodities cresceram 7,4% em volume, ao passo que as não commodities recuaram 13,5%.

Ademais, o boletim mostrou que a contribuição dos Estados Unidos foi negativa entre os principais parceiros da balança comercial brasileira. Em contrapartida, a União Europeia registrou saldo positivo de US$ 1,5 bilhões.

+ Guia completo de como ter sucesso nas operações de day trade: baixe gratuitamente!

Balança comercial em 2020

O setor do agronegócio foi o que melhor performou nas exportações do ano passado (+7,4%), ao passo que a indústria extrativa e transformaram registraram queda.

Em dezembro, no entanto, o destaque ficou com a indústria de transformação, com variação positiva de 12,7% nas vendas externas.

Ao mesmo tempo, as compras do setor cresceram 66,8%, mas é preciso descontar o efeito das plataformas. Assim sendo, a variação foi de 21,2%, destacou o IBRE.

Por fim, veja a síntese dos principais resultados de 2020 e as perspectivas para a balança comercial em 2021 e acesse aqui o press release.

+ Guia do Investidor Iniciante: acesse o material gratuito.

Leia também:


Sobre o autor