Empresas

B3: grandes bancos registram a 1ª queda no lucro desde 2016

Por Fast Trade
17 fevereiro 2021 - 08:30 | Atualizado em 17 fevereiro 2021 - 11:21
B3

Fortemente pressionados pela pandemia do novo coronavírus, os grandes bancos listados na B3 registraram a primeira queda no lucro desde 2016.

De acordo com o Valor Econômico, o resultado combinado dos lucros apurados por Itaú Unibanco (ITUB4), Banco do Brasil (BBAS3), Bradesco (BBDC4) e Santander (BCSA34) chegou a R$ 65,727 bilhões em 2020. O montante computado no ano passado é 24,14% inferior ao ano imediatamente anterior.

Dentre os fatores que mais forçaram a queda, a constituição de reservas para fazer frente ao risco aumentado se sobressaiu. Nesse sentido, as despesas com provisões para devedores duvidosos (PDD) dispararam 51,95% no ano marcado pela pandemia, para R$ 90,630 bilhões.

+ Guia de A a Z de como se tornar um trader: baixe gratuitamente!

Catalisadores do acumulado dos principais bancos listados na B3

O salto refletiu a tentativa das instituições monetárias de se proteger contra uma esperada alta dos calotes. A alta, por sua vez, ainda não veio, conforme mostraram os releases das instituições bancárias.

Só para ilustrar, a taxa de inadimplência no sistema financeiro findou em 2020 no menor patamar da série histórica, iniciada em 2011. Conforme o levantamento do Banco Central, o indicador ficou em 2,9% no último mês do ano passado.

No entanto, o término do auxílio emergencial pode fazer com que a inadimplência cresça no ano corrente. Também derrubou o consolidado dos grandes bancos listados na B3 a pressão em serviços.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o segmento anotou um tombo recorde de 7,8% em 2020. Em relação ao lucro dos bancos, o declínio é decorrente da menor utilização de cartões e da movimentação de tarifas.

Já a receita de serviços combinada do Itaú, do BB, do Bradesco e do Santander recuou 1,4%, para R$ 117,143 bilhões. Ao mesmo tempo, os gastos operacionais dos 4 bancos subiram 1,57%, somando R$ 152,183 bilhões.

+ Derivativos – O guia definitivo para começar a investir: confira!


Sobre o autor