HomePolítica

Anistia recomenda que decreto de armas seja revogado; Planalto admite possíveis mudanças

Por Pablo Vinicius Souza
22 maio 2019 - 10:15

O polêmico decreto que libera a posse e porte de armas para um conjunto de pessoas, continua em destaque.

A medida tem sido amplamente discutida. Agora, a Anistia Internacional interviu, lançando ontem (21) a ação “Brasil para todo mundo”.

Com o intuito de pressionar o Planalto a voltar atrás, a entidade descreve algumas de suas principais preocupações.

“[O decreto] atenta contra as garantias do direito à vida ao proporcionar mais facilidades para o aumento da circulação desse tipo de armamento. A Anistia Internacional exprime forte preocupação de que, com o aumento das armas de fogo à disposição, poderá haver aumento das mortes”, diz uma parte da carta publicada pela entidade.

Pressionado, Planalto admite que decreto de armas pode mudar.

O porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, falou ontem sobre um dos pontos que podem ser alterados.

“A aquisição de fuzil pelo cidadão, esse é um dos aspectos que está sofrendo avaliação por parte do presidente, juntamente com nossa assessoria jurídica da Casa Civil para, a partir dessa reavaliação, ajustar ou não o decreto”, afirmou.

Leia mais:

Saiba quais são os principais compromissos econômicos globais para esta quarta-feira

Maia cita saco de dinheiro e afirma que não aceitará ataques do Executivo contra Legislativo

Bolsonaro defende manifestações pacíficas, mas não participará de ato pró-governo

Câmara avança com reforma tributária própria; votação na CCJC pode acontecer hoje

Governo avalia revogar MP para reforma administrativa avançar; Centrão recua e decide votar

STF volta a discutir criminalização da homofobia e fornecimento de medicamentos caros


Sobre o autor