AçõesHome

Analistas recomendam exposição ao mercado interno em novembro; Itaú, Centauro e Petrobras estão entre escolhidas

Por TradersClub
01 novembro 2019 - 10:33
Ibovespa futuro tem leve alta

Para várias casas de análise, a seletividade deverá marcar a formação das carteiras do investidor na renda variável ao longo de novembro. Em meados do mês acaba a temporada de balanços e, até o momento, o balanço é de mais “bate” do que “frustra”. Assim, o cenário positivo para o Ibovespa também é embaçado pela queda na taxa Selic, que deve continuar em dezembro e reduzir, ainda mais, o custo de capital das empresas.

Para o BB Investimentos, fique exposto a papéis orientados ao mercado interno. Na avaliação do BTG Pactual, a retomada econômica deve ganhar impulso e, com ela, a “perna seguinte” do rali na bolsa. Quais as entradas em algumas das carteiras? BTG Pactual, CCR, Itaú, Centauro, Petrobras, Cyrela, Marfrig, Taesa, Tupy e Vale.

Em outubro, os ativos financeiros ligados a imóveis mostraram desempenho acima de outras aplicações – mais um sinal do efeito positivo que tem a queda da taxa básica de juros Selic no apetite por risco. Os índices IMOB e IFIX, que agrupam as incorporadoras e os fundos imobiliários, respectivamente, mostraram altas de 5,14%, e 4,01% em outubro, ante ganho no Ibovespa de 2,36%, na taxa interbancária CDI de 0,4793% e da poupança em torno dos 0,38%.

Na ponta negativa do mês passado, a aplicação com o pior desempenho foi o dólar, que recuou 3,57% no mês. Em relação a esse investimento, as coisas podem piorar nos próximos meses. Segundo estrategistas do Citigroup, o índice do dólar americano, o DXY, pode tocar os 85 pontos quando o Federal Reserve aumentar seu balanço novamente para renovar as compras de títulos – o que puxa os juros e, consequentemente, a moeda, para baixo.


Sobre o autor