Ações

Alocação em ações no Brasil está acima da média, avalia o Santander

Por Fast Trade
30 junho 2020 - 07:00 | Atualizado em 30 junho 2020 - 08:00

Em um período atípico para o mercado financeiro, impactado principalmente pela pandemia da Covid-19, a alocação em ações no Brasil encerraram maio com alta de 0,15 pontos percentuais passando para 5,32%. Assim sendo, o país contabiliza 0,27% acima do benchmark, que no caso é o MSCI Brazil, conforme o documento enviado ao mercado pelo Santander.

Essa estratégia  é usada para reduzir a volatilidade dos resultados de determinado investimento. Segundo a análise, a alocação de fundos ativos em mercado emergentes (GEM) na América Latina cresceu para 8,7% em maio, 0,63% acima do benchmark.

Isso, contudo, não bastou para melhorar o posicionamento das alocações, que seguem as mais baixas entre os investidores da América Latina.

Em meio à crise global sem precedentes, a alocação em ações se deteriorou 4,30 p.p. na comparação anual, conforme relatou a instituição monetária. Por sua vez, a alocação absoluta no México passou para 2,04% no mês; a Argentina ficou em 0,49% no período, alta de 0,05 pontos percentuais.

Outros países da América Latina tiveram mudanças de alocação quase nulas em maio.

Mercados de ações estão caindo na real sobre a reabertura econômica, avalia Bank of America

E por falar em alocação em ações, os investidores desses ativos estão encarando a realidade sobre o processo da reabertura econômica. Na avaliação do Bank of America, os investidores também estão caindo na real sobre os riscos de uma segunda onda do coronavírus a nível global.

Em relatório enviado a clientes ontem (29), o time de analistas do banco compara duas grandes classes de ativos para entender o comportamento dos investidores. A análise dividiu o índice S&P 500 entre as ações de empresas que ganham com o “distanciamento social” e as das empresas que se recuperam com a reabertura da economia.

Nesse contexto, concluiu-se que os papéis benefíciários da primeira hipótese ainda negociam a um prêmio de 10% sobre as empresas ligadas à segunda hipótese.

“Mas o mercado basicamente dividiu a diferença, onde esse prêmio está no meio do caminho entre a avaliação do desconto no início do ano e o prêmio de quase 40% no pico do medo sobre o Covid-19. Achamos que o mercado poderia estar em pausa, como o Texas e alguns outros estados, no otimismo sobre a reabertura”, aponta o BofA.


Sobre o autor