Economia

Ajuda a Estados e municípios impactará os cofres públicos em até R$ 222 bi, afirma Mansueto

Por Bruna Santos
12 abril 2020 - 11:25 | Atualizado em 13 abril 2020 - 07:25
cofres públicos

O projeto de amparo a Estados e municípios nesse momento de crise deve trazer grandes impactos aos cofres públicos. Prevista para ser votada nos próximos dias pela Câmara dos Deputados, o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, estima que a medida impactará em até R$ 222 bilhões.

Segundo o Valor Investe, este cálculo foi divulgado na véspera (11), por meio de nota técnica do Ministério da Economia. Por outro lado, esse montante total vai depender dos efeitos das medidas que estão sendo pensadas pelos deputados.

Nesse sentido, as ações superam o combate ao Covid-19 e exclui a eventual abertura de espaço para endividamento dos municípios.

Diante das estimativas para o impacto nos cofres públicos, o Tesouro Nacional destacou a perspectiva para o déficit do setor. Para 2020, o déficit da área pública deve ser de R$ 500 bilhões, portanto, corresponde a 7% do PIB brasileiro.

Desse modo, as contas devem fechar com este rombo em razão do aumento de gastos como resposta à doença. De acordo com o texto, “qualquer novo impacto fiscal” deve ser cuidadosamente debatido, a fim de evitar um salto do déficit primário, mas também o da dívida pública do setor público.

Agenda de reformas e os cofres públicos

Agenda de reformas e os cofres públicos

Mansueto também comentou que o governo voltará a planejar a saída do processo de lockdown, bem como a retomada da agenda estrutural após a fase emergencial da crise passar.

Para o secretário, o cenário implica que não haja falha na agenda de reforma estrutural, nem na concessão e privatização.

Vale lembrar que a agenda de reformas voltaria ao radar do governo federal em fevereiro, após as férias parlamentares. Houve, contudo, a necessidade de abandonar a prioridade das medidas para lidar com o avanço da pandemia do novo coronavírus.

Além disso, ele pontuou que será preciso um grande esforço para que haja um consenso em relação a reforma tributária.

“A gente não vai poder esperar tanto por uma reforma tributária tão longa”, disse por meio de uma live organizada pela Genial Investimento e afirmou que será preciso mais ousadia “do ponto de vista reformas”.

Leia mais:

Governo prevê o maior rombo da história nas contas públicas por Covid-19


Sobre o autor