EconomiaHome

Agenda doméstica tem dados do IPC, IGP-M, boletim Focus e balança comercial

Por Pablo Vinicius Souza
19 agosto 2019 - 09:48
Nossa agenda local de indicadores econômicos tem como destaque a divulgação da Pesquisa Mensal do Comércio de setembro do IBGE.

Nossa agenda doméstica é inaugurada esta semana com o crescimento de 0,27% do Índice de Preços ao Consumidor (IPC).

Conforme dados publicados hoje pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), o medidor da inflação na cidade de São Paulo cresceu ante ao ganho de 0,12% observado na primeira quadrissemana deste mês.

Com agenda externa esvaziada, o mercado investidor monitora os dados da segunda prévia do IGP-M de agosto da agenda doméstica.

Mais tarde, o Banco Central traz novas atualizações das projeções do tradicional Boletim Focus. O Ministério da Economia, por sua vez, informa os dados da balança comercial semanal.

No continente asiático, índices acionários da China saltaram mais de 2% no pregão, melhor resultado desde o início de julho.

O mercado reage a mais recente medida de estímulo do governo para impulsionar a economia, conforme antecipado aqui no portal.

No sábado, o banco central da China apresentou uma importante reforma dos juros a fim de reduzir os custos de empréstimo para empresas e, desse modo, sustentar a economia.

Na Europa, o ministro de Finanças alemão, Olaf Scholz, afirmou que o país tem o poder fiscal para conter qualquer futura crise econômica com “força total”.

Ele também sugeriu que Berlim poderá liberar cerca de 50 bilhões de euros para gastos extras.

O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) da zona do euro subiu 1% na comparação anual de julho, desacelerando em relação ao aumento de 1,3% verificado em junho, de acordo com a Eurostat, agência de estatísticas da União Europeia.

A leitura final deixou a inflação na zona do euro mais distante da meta do Banco Central Europeu (BCE), que é de uma taxa ligeiramente inferior a 2%.

Um suspiro

Após dias mais tensos vistos na última semana, caminhamos um certo alívio hoje. É claro que os ativos seguirão estressados e sensíveis a cada novidade, mas ao menos amanhecemos com um tom positivo. Na China, o entusiasmo ficou por conta da notícia de que haverá uma reformulação do sistema de juros e corte de taxas para que a economia não pare de crescer com os novos estímulos agregados.

Ele não para nunca. Duas declarações de Trump ligaram o alerta dos investidores durante o fim de semana. Uma delas foi sobre a interminável Guerra Comercial. O presidente disse que Washington está em negociações com a China, mas ainda não está pronto para um acordo. Também chamou de ‘conspiração’ de quem afirma que os Estados Unidos estão prestes a entrar em recessão, apontando o dedo para a mídia. ‘Nossa economia é a melhor do mundo’, afirmou.

Mas os investidores já estão ansiosos é para sexta-feira, dia que o presidente do Fed, Jerome Powell, dará um discurso no encontro anual promovido pelo banco central americano em Jackson Hole. Se os juros serão cortados (como é a expectativa de todos) ou se serão cortes pontuais daqui em diante, prometem movimentar as próximas projeções.

Para ficar de olho. A Caixa Econômica Federal lança amanhã nova regra de financiamento imobiliário e o banco central brasileiro irá atuar no
câmbio.

Por Glenda Ferreira – Especialista em Investimentos na Levante Ideias de Investimentos


Sobre o autor