EconomiaHome

Agenda de indicadores conta com posição de câmbio; PMI; IC-Br; Livro Bege e mais

Por Bruna Santos
04 setembro 2019 - 11:02
Nossa agenda local de indicadores econômicos tem como destaque a divulgação da Pesquisa Mensal do Comércio de setembro do IBGE.

Nossa agenda de indicadores conta com a divulgação do PMI da Markit, pela manhã.

Posteriormente, o Banco Central divulgará a posição de câmbio das instituições financeiras, bem como o índice de Commodities (IC-Br).

Nos Estados Unidos, o mercado acompanha os dados da balança comercial referente ao mês de julho, com grande expectativa.

É o momento em que o impacto da guerra comercial travada com a China pode ser demonstrado efetivamente em números.

O índice de condições empresariais de NY (ISM) de agosto, assim como o Livro Bege, pelo Fed também estão previstos

Na China, o Índice de Gerentes de Compras dos Serviços Caixin/Markit chegou a 52,1 em agosto, o maior desde maio.

Anteriormente, dados oficias já haviam sinalizado uma recuperação da atividade do setor de serviços pela primeira vez em cinco meses.

Na agenda de indicadores da Zona do Euro, o índice de gerentes de compras composto saltou de 51,5 (julho) para 51,9 (agosto), renovando a expansão da atividade, segundo a IHS Markit.

O resultado superou a leitura prévia de agosto, bem como da previsão de analistas consultados pelo The Wall Street Journal.

Em ambos os casos, a previsão era de 51,8.

O PMI de serviços aumentou de 53,2 (julho) para 53,5 (agosto). A estimativa preliminar também era mais enxuta, de 53,4.

Por outro lado, as vendas no varejo da Zona do Euro contraíram 0,6% em julho ante junho, informou a Eurostat.

O resultado já havia sido antecipado por analistas consultados pelo The Wall Street Journal que, nesse caso, acertaram.

Em contrapartida, as vendas do setor varejista do bloco cresceram 2,2% em julho, na comparação anual.

Os dados de junho foram revisados, para alta mensal de 1,2% e acréscimo anual de 2,8%.

Notícias volta ao mundo

Alívio vindo da Ásia. Após meses de protesto, o líder de Hong Kong deverá retirar formalmente o projeto de extradição para a China, que era uma das reivindicações. Na China, dados acima do esperado também embalaram os negócios, a demanda doméstica no país aparenta ser mais forte do que a demanda externa, de acordo com PMI de serviços que veio em 52,1 em agosto.

Enquanto isso, na Europa, o ambiente está mais tenso. Está em votação uma lei, que caso aprovada, impedirá que o Reino Unido saia da União Europeia sem um acordo. Para desagrado do primeiro-ministro britânico, que deseja a saída o quanto antes, mas que ainda poderá chamar novas eleições para o parlamento.

Já nos EUA, o destaque do dia é a leitura do Livro Bege. Mesmo com dúvidas em relação a capacidade dos bancos centrais em gerar estímulos às economias, ninguém quer perder os próximos passos do Fed, que sofre pressão por todos os lados (inclusive do presidente Trump) para baixar os juros.

No Brasil, destaque para a CCJ que analisa a proposta de reforma da Previdência. Com o Congresso acelerando a agenda econômica, os destaques de Brasília ficam com a nota abaixo do analista político, Felipe Berenguer.

Senado a todo vapor

O Senado continua sendo o centro das atenções de Brasília neste segundo semestre. Ontem (3), o plenário da casa aprovou a PEC da Cessão Onerosa, que permite que a União compartilhe com estados e municípios os recursos arrecadados nos leilões do pré-sal. A PEC agora volta para a Câmara dos deputados, para aprovar as mudanças efetuadas no texto. O avanço da matéria é positivo, já que houve muito dissenso durante 2018 e 2019 sobre a partilha dos recursos arrecadados.

Ainda nesta terça-feira (3), líderes partidários se reuniram com o presidente da casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP) e confirmaram a votação, nesta quarta-feira, da PEC paralela com a inclusão de estados e municípios. Um acordo de procedimentos entre os líderes partidários vai permitir a quebra do prazo de 30 dias antes da votação inicial do texto na comissão, fazendo com que ele siga diretamente para o plenário. Está prevista para hoje, também, a votação da reforma da Previdência na comissão.

E Eu Com Isso?

A aprovação da cessão onerosa abre caminho para que o megaleilão ocorra no dia 6 de novembro, como previsto. Já a tramitação célere da PEC paralela demonstra o compromisso do Senado de incluir os estados e municípios na reforma – medida essencial, dada a situação fiscal dos entes. Ambas os acontecimentos, somados à quase certa aprovação da reforma na CCJ hoje, podem renovar os ânimos do mercado por aqui.

Glenda Ferreira e Felipe Berenguer, Levante Ideias de Investimentos


Sobre o autor