EmpresasHome

After Market tem lucro da Natura, prejuízo da Via Varejo e mais

Por Pablo Vinicius Souza
15 agosto 2019 - 09:22

O after Market reuniu uma série de resultados mistos na última semana de balanços corporativos relacionados ao segundo trimestre 2019.

A Natura (NATU3) viu seu lucro mais que dobrar na comparação anual do trimestre, com vendas e controle de custos.

De acordo com a publicação da companhia de cosméticos, o salto do lucro foi de 109,4%, para R$ 66,6 milhões.

Além disso, a receita líquida também subiu (9,8%) ante segundo trimestre do ano anterior.

O Ebitda, por outro lado, cresceu de forma mais expressiva (27%), chegando a bater a marca dos R$ 424,7 milhões.

“Todas as nossas três marcas (Natura, Aesop e The Body Shop) contribuíram para uma boa performance no trimestre”, afirmou a Natura, que espera comprar a Avon no próximo ano.

O after Market, contudo, não foi generoso para todas as companhias que compartilharam seus resultados financeiros com o mercado.

A Via Varejo (VVAR3), por exemplo, amargou prejuízo de R$ 154 milhões e, assim, reverteu lucro de R$ 14 milhões.

Ademais, a dona das Casas Bahia e Ponto Frio contabilizou ainda R$ 6,024 bilhões em receita líquida, recuo de 6,5%.

Em paralelo, a empresa, que até recentemente era controlada pelo GPA, divulgou lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado de R$ 388 milhões (-38,7%).

Por outro lado, o lucro da Ultrapar (UGPA3) contraiu 47% no segundo trimestre deste ano e contabilizou R$ 127 milhões.

Sua receita líquida também recuou (18%) e passou para R$ 589 milhões, em meio ao desempenho fraco de Oxiteno e Ipiranga.

O Ebitda, por sua vez, registrou baixa de 4% (R$ 21,693 bilhões).

De acordo com a Ultrapar, os volumes de venda da Ipiranga caíram 4%, “influenciado por um ambiente competitivo mais acirrado”.


Sobre o autor