Política

A exemplo dos EUA, Brasil pode sair da OMS

Por Bruna Santos
07 junho 2020 - 10:41 | Atualizado em 08 junho 2020 - 07:00

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que o Brasil pode deixar a Organização Mundial da Saúde (OMS) que, de acordo com ele, atua “com viés ideológico”

Como uma das justificativas, Bolsonaro citou o desenrolar das pesquisas conduzidas pela OMS sobre o uso da hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19. Segundo ele, a organização recomendou há poucos dias o congelamento desses estudos, mas “agora voltou atrás”.

“É só tirar a grana deles que eles começam pensar de maneira diferente”, disse o presidente da República, referindo-se ao desdobramento de quando o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou o rompimento do país com a OMS.

Em abril, Trump acusou a organização de favorecer a China e, em decorrência disso, congelou por 60 dias o envio de verbas para a entidade. Nesse sentido, Bolsonaro garantiu que “ou a OMS trabalha sem o viés ideológico”, ou o Brasil seguirá o mesmo caminho dos EUA.

“Não precisamos de gente lá de fora dar palpite na saúde aqui dentro”, disse em entrevista na porta do Palácio da Alvorada.

Segundo o portal de notícias da UOL, a Organização Mundial da Saúde indicou no sábado (6) que não irá reagir ao anúncio de Bolsonaro.

Leia também:

“Somos o País que mais preserva o meio ambiente do mundo”, afirma Bolsonaro

Força Nacional pode ser acionada em manifestação; payroll e mais


Sobre o autor