Blog

Saiba como montar uma carteira de investimentos de sucesso

Por Fast Trade
16 maio 2022 - 11:03 | Atualizado em 27 maio 2022 - 10:34
carteira de investimentos

Boa parte das pessoas está buscando novas maneiras de aplicar o seu dinheiro, administrar uma carteira de investimentos e encontrar formas inteligentes de ter segurança financeira. Isso acontece mesmo durante uma crise ou conjunturas econômicas menos favoráveis. Pensando nisso, separamos algumas dicas de ouro para administrar a sua carteira de investimentos.

Felizmente, por meio de algumas ações pontuais e com um pouco mais de conhecimento do ramo, é perfeitamente possível fazer escolhas mais precisas, identificando as melhores oportunidades, e fugindo de eventuais “furadas”. Continue lendo o post e descubra como fazer isso!

Considere seu perfil na hora de montar a carteira de investimentos

A primeira das dicas de ouro para administrar a sua carteira de investimentos é considerar o seu perfil. Afinal, entrar no mercado financeiro sem identificar o que você deseja com essa escolha é um caminho para o fracasso. Determinando assim, o tipo de empresa ao qual você vai dar preferência e apostará para ter dentro da sua carteira.

Estabeleça quanto dinheiro você tem para investir, em quanto tempo você deseja ter retorno e quantas horas por semana você terá para gerenciar as suas ações. Depois, cruze essas informações com os tipos de opções disponíveis na Bolsa de Valores. Focando naquelas que estejam em sintonia com a sua realidade e a sua intenção.

Aposte na diversificação para sua carteira de investimentos

Outra dica de ouro para administrar a sua carteira de investimentos é apostar no poder da diversificação. Você já deve ter ouvido falar sobre esse termo, tendo em vista que é uma prática recorrente no mercado financeiro. A diversificação não apenas ajuda a correr menos riscos, mas também abre a possibilidade de fazer mais investimentos.

No entanto, também é preciso entender que diversificar demais pode ser perigoso. O mais recomendável é encontrar um meio-termo de acordo com o seu perfil e os seus objetivos. Escolha boas empresas que tenham realmente um potencial. Foque em outras que já estão estabelecidas em seus ramos e fuja de instituições que você não conhece direito.

Busque boas ferramentas para ajudá-lo a investir

Você não pode deixar de buscar boas ferramentas para ajudar na administração da sua carteira de investimentos. Nos dias de hoje, você encontra, por exemplo, excelentes simuladores que podem trazer mais familiaridade com as situações comuns do mercado financeiro, como compras, vendas e estratégias.

O melhor de tudo é que não há riscos, porque tudo é feito por meio de “dinheiro fictício” e em um ambiente que simula a realidade de um home broker real. Com o passar do tempo, você vai adquirindo experiência e entenderá melhor as dinâmicas. Dessa forma, fica mais fácil partir para a Bolsa de Valores verdadeira, com muito mais chances de ter êxito.

Aprenda mais sobre o mercado financeiro

Independentemente do seu perfil de investidor ou do montante direcionado para suas aplicações, aprender mais sobre o mercado financeiro é sempre muito importante. Trata-se de um setor com excelentes possibilidades, mas também bastante complicado e com uma riqueza de detalhes que pode surpreender os mais desavisados.

Por isso, é recomendável conferir alguns livros sobre o assunto, desde obras clássicas até as mais atuais, abordando operações de day trade e soluções em tecnologia. Também é muito bom acompanhar as notícias de economia e seguir alguns investidores nas redes sociais, aproveitando para conferir dicas que podem encurtar seu caminho para o sucesso.

Entende o que são os níveis de risco

Você pode atuar no mercado financeiro mesmo sem grande apetite ao risco, com um perfil mais conservador. No entanto, não dá para ter apenas ativos totalmente seguros, pois nunca se sabe o que pode acontecer na economia. Por isso, compreender melhor os conceitos e diversificar os níveis de perda dos investimentos da sua carteira é bastante recomendável.

Mesmo aqueles mais arrojados devem ter alguns produtos mais tradicionais na composição do seu portfólio, para contrabalançar qualquer oscilação mais significativa. A renda variável, as ações e o day trade, por exemplo, costumam ser escolhas mais indicadas para quem é experiente no assunto e domina os pormenores do mercado financeiro.

Determine os prazos de vencimento

Você está escolhendo os produtos com assertividade e montando sua carteira de investimentos? Então, uma questão que você precisa fica atento é quanto aos prazos de vencimento das suas aplicações, tendo em vista que eles podem (e devem) estar em sintonia com suas expectativas, objetivos e necessidades.

Na prática, isso quer dizer que, na maioria dos ativos, você não terá resultados em pouco tempo. Mesmo os de curto prazo, como os títulos de CDB, por exemplo, costumam durar entre um e dois anos, enquanto os de médio podem facilmente chegar a cinco. E, como dissemos, operações de day trade e similares só são recomendadas para quem tem muita experiência.

Verifique as correlações entre os ativos

Quando você ainda está aprendendo sobre o mercado financeiro e montando uma carteira de investimentos para iniciantes, é natural pensar nos ativos de maneira separada. No entanto, isso é um erro, tendo em vista que, no final das contas, os seus resultados se darão por meio da interação entre eles, somando lucros e diminuindo prejuízos.

Por isso, a diversificação é a aplicabilidade da correlação, fazendo com que produtos diferentes, de setores e características distintas, se equilibrem e gerem um desempenho satisfatório. Mesmo quando similares, como aplicações de renda fixa, você pode escolher uma que acompanhe a Selic e outra que siga outra taxa como referência.

Estipule alguns critérios para a diversificação

Até aqui, estamos falando de diversificação de carteira, mas podemos nos aprofundar no assunto ao abordarmos quais são os critérios que o investidor deve adotar para diversificar. Além de descorrelacionar os ativos, como vimos acima, é possível aumentar sua abrangência com produtos de classes, setores, prazos e liquidez distintos entre si.

Uma boa ideia é já começar dividindo em renda fixa e renda variável, sendo que esta última deve ser predominante para quem tem mais apetite para o risco e já entende melhor do ramo. Para quem gosta de ações, é possível escolher papéis de empresas de áreas consideravelmente distantes, como mineração, educação, startups e commodities.

Tome cuidado com o princípio da pulverização

Você já ouviu falar no princípio da pulverização dentro do mercado financeiro? Também chamado de falsa diversificação, isso ocorre quando o investidor tenta alocar seus recursos em diversos produtos aos quais considera diferentes, mas que, de alguma maneira, acabam apresentando um grau considerável de correlação entre si.

Isso pode ocorrer, por exemplo, quando uma carteira conta com ações de 10 empresas, mas 6 ou 7 delas são do setor financeiro, ainda que não de forma totalmente similar. Na prática, os movimentos e oscilações acabarão trazendo muitos impactos para o portfólio, o que pode significar bons lucros no momento de alta, mas tremendos prejuízos na baixa.

Trace objetivos para o dinheiro investido

Muitas pessoas acabam desanimando de investir no mercado financeiro porque vão se descolando dos resultados de longo prazo. No entanto, uma das maneiras de evitar que isso ocorra é traçando objetivos para o dinheiro investido. O melhor de tudo é que você pode, perfeitamente, ter metas completamente distintas e simultâneas.

Isso quer dizer que, mesmo que você deseje fazer uma viagem, trocar de casa ou abrir um negócio próprio, cada item contará com um tipo específico de aplicação e se concretizará em momentos distintos. Ou seja, você pode dividir seu portfólio em “pedaços”, com aplicações condizentes, recebendo no tempo necessário para conquistar o seu propósito.

Tenha coerência com a sua estratégia de investimento

Falamos muito sobre composição de carteira, objetivos e formas de compensar qualquer oscilação muito relevante na economia. No entanto, um ponto que sempre merece ser reforçado é que o mercado financeiro exige sangue frio. Portanto, você não deve se desesperar ao primeiro sinal de perda ou trocar seus ativos quando um resultado não chegar.

Uma estratégia condizente e racional deve ser mantida sempre que uma mudança não for imperativa, como no caso de uma tremenda crise econômica ou a quebra de uma empresa. Lembre-se que muitas das suas metas precisam de prazo para se concretizarem, para que você receba de volta, no futuro, o valor aplicado mais os juros e dividendos.

Não abra mão de contar com uma reserva de emergência

Por fim, não podemos deixar de aconselhar o investidor a ter sempre uma reserva de emergência. Mesmo os mais arrojados ou intempestivos podem tirar proveito de tal cuidado, pois existem momentos da vida no qual algo inesperado pode ocorrer com qualquer um. O valor a ser guardado pode variar, mas ele deve ser suficiente para trazer tranquilidade.

Para o cálculo, você pode estipular quanto você precisa para bancar suas despesas mensais fixas por um determinado período, como três ou quatro meses. Para os mais prudentes, entretanto, o alvo pode ser até um ano. É fundamental que seja um produto de liquidez imediata, como poupança, CDB, fundos DI, entre outros.

Seguindo essas dicas de ouro para administrar a sua carteira de investimentos, você poderá ter resultados surpreendentes. Obtendo retornos acima do que você esperava e tornando-se um investidor de sucesso no futuro.

Gostou de aprender a administrar a sua carteira de investimentos? Quer dividir seus novos conhecimentos? Então, não deixe de compartilhar nosso post em suas redes sociais!




Sobre o autor

Recomendadas para você